quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Opinião :: A Relíquia | Eça de Queirós

Título: A Relíquia
Autor: Eça de Queirós
Editora: Círculo de Leitores
Ano: 1993

Sinopse (retirada da Internet):
Romance saído em folhetins na Gazeta de Notícias, cuja epígrafe se tornou célebre - "Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia" - por sintetizar a aliança entre realismo e imaginação, naturalismo e fantástico, patente na obra.
Da intriga central - a viagem de Teodorico à Terra Santa, de onde traz, não a relíquia que prometera à tia beata, mas sim, por lapso, a camisa de dormir de uma amante - sobressai o sonho ou a viagem no tempo do protagonista, que, acompanhado pelo seu erudito amigo, Dr. Topsius, assiste à pregação, julgamento e morte de Jesus.
A obra, que exalta a figura humana de Cristo, como paradigma de amor e de bondade, foi considerada herética pelos setores mais conservadores, por questionar a divindade de Cristo.


Opinião:
Desta vez, a minha curiosidade em relação a este livro recaiu sobre o título; uma vez que esta edição não contém uma sinopse, comecei a leitura com uma maior sede de descobrir o que era a tal relíquia.
O início do livro agradou-me mais do que esperava: constatei que iria ser uma história engraçada, apesar das desgraças de Teodorico. No entanto, uma parte da história foi mais descritiva, nomeadamente o relato do dia de Páscoa em Jerusalém, e não me cativou muito, o que me fez abstrair mais da leitura. Fiquei novamente interessada aquando do culminar do caso: foi quando desvendei a relíquia e conheci o destino de Teodorico, bem como a moral da história.
No final, achei este livro muito bom, com um grande ensinamento para a vida: a inutilidade da hipocrisia. Eça de Queirós criou uma história cativante, utilizando uma escrita formal mas cómica, para abordar a religião e os comportamentos da sociedade daquele tempo.
Gostei muito de ler o livro e de viajar, tanto no tempo como no espaço; gostei de ler sobre a viagem a Israel e à Síria e tentei imaginar como seriam estes países no século XIX (com certeza muito diferentes da actualidade...).
Uma boa surpresa: recomendo!

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Opinião :: Gravar as Marcas | Veronica Roth

Título: Gravar as Marcas
Autora: Veronica Roth
Editora: HarperCollins
Ano: 2017

Sinopse:
Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.
CYRA é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa.
AKOS é filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espírito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar. Então, Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro?
Da autoria de Veronica Roth, Gravar as Marcas é um retrato deslumbrante do poder da amizade e do amor, numa galáxia repleta de dons inusitados.

Opinião:
Não criei grandes expectativas em relação a esta leitura, uma vez que não sou fã deste género literário, mas cedo percebi que iria gostar desta história.

Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.

Nesta galáxia, onde existem diferentes planetas e povos, todos têm um dom-corrente e alguns são predestinados. Além disso, caracterizam-se por serem lutadores, tendo inclusivamente escolas de combate, e ao longo do livro testemunhamos vários confrontos.
Através das personagens principais, Akos e Cyra, conhecemos as suas vidas, as suas ligações e o que acontece nestes mundos distintos.
Pensei que me ia custar a interiorizar todos os neologismos criados pela autora (quer os nomes das personagens, quer os elementos que fazem parte da galáxia), contudo achei-os bastante originais e aceitei-os bem. A história em si também foi agradável; gostei das diferenças entre Akos e Cyra e das suas particularidades, pois acabam por se complementar um ao outro. Entre eles surgiu uma relação de amizade que vale a pena conhecer.
Todavia, o final manteve-me em suspenso, ou seja, senti que a história não estava completa e isso desiludiu-me um pouco. Porém, mais tarde descobri que o segundo volume irá ser publicado no próximo ano. Se tiver oportunidade, irei querer ler.
Em suma, este foi um bom livro. Apesar de a história não me ter marcado muito, confesso que foi uma agradável surpresa.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Colecção "Ler Faz Bem" da Revista Visão #8

Olá! Já tenho comigo o meu oitavo exemplar da colecção Ler Faz Bem: O Coração das Trevas, de Joseph Conrad. Esta história parece-me sombria... mas depois irei descobrir!
Quem já conhece esta obra?

Título: O Coração das Trevas
Autor: Joseph Conrad
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Publicado em livro em 1902, O Coração das Trevas é um clássico indiscutível da Literatura do século XX. O leitor acompanha a viagem de Marlow pelo Congo em busca do misterioso Kurtz, comandante de um dos postos avançados de uma companhia mercante de marfim. Vivendo situações-limite no interior da selva africana, Marlow encontra finalmente aquele que procura, e que deve trazer de volta à civilização. Considerado uma parábola sobre o Mal, o livro deu origem ao filme Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola.

sábado, 5 de agosto de 2017

Opinião :: Se Eu Fosse Tua | Meredith Russo

 Título: Se Eu Fosse Tua
Autora: Meredith Russo
Editora: Nuvem de Tinta
Ano: 2017

Sinopse:
Mudar de escola no último ano e ser a miúda nova do liceu nunca é fácil para ninguém. Amanda Hardy não é excepção: se quiser fazer amigos e sentir-se aceite, terá de baixar as defesas e deixar que os outros se aproximem. Mas como, quando guarda um segredo tão grande? Quando tenta a todo o custo esconder o seu passado e começar uma vida nova?
Para piorar as coisas, apaixona-se perdidamente pelo rapaz mais popular do liceu e tudo o que mais quer é contar-lhe a verdade. Será que ele é tão especial quanto parece? Poderá confiar nele?
Uma história inspiradora e comovente que nos enche o coração e nos ensina que o amor mais verdadeiro e profundo nasce da coragem de sermos nós mesmos.

Opinião:
Este livro foi uma surpresa para mim. Quando ouvi falar sobre ele, nunca imaginei que o assunto fosse a transexualidade, muito menos que se baseasse na vida da própria autora. Não é todos os dias que se lêem livros sobre este tema, por isso, quando tive a oportunidade de o ler, fiquei extasiada!
A história de Amanda marcou-me muito. Logo de início criei uma grande empatia com ela e gostei cada vez mais dela à medida que ia descortinando a sua vida. Esta ligação permitiu-me sentir as suas emoções e compreender melhor o lado de quem passa por estas mudanças. Senti também compaixão nos momentos mais frágeis e difíceis mas, ao mesmo tempo, achei-a uma jovem forte e determinada, um grande exemplo para todos, especialmente para os transexuais. Tive mesmo vontade de ser amiga dela!
Contudo, achei a história um pouco superficial, ou seja, achei que deveria ter sido um pouco mais desenvolvida. Talvez este defeito tenha a ver com o facto de querer saber mais sobre este caso. Não foi por isso que deixei de gostar da história: antes pelo contrário! 😉
Além de todo o enredo, gostei da mensagem transmitida pela autora: uma mensagem de esperança e integração, bem como de compreensão e aceitação.
Numa escrita informal e acessível, Meredith Russo dá-nos uma visão mais próxima de todo este processo e de todas as pessoas envolvidas. Este livro pode muito bem quebrar barreiras e estereótipos e até mudar vidas.
Um livro de leitura obrigatória!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A ler :: A Relíquia | Eça de Queirós

A Relíquia, de Eça de Queirós

Esta é a minha actual leitura: A Relíquia, de Eça de Queirós. Como podem ver, este livro é uma edição especial de capa dura, pertencente a uma colecção de obras deste autor, do Círculo de Leitores.
Não me falta muito para o acabar de ler; em breve espero partilhar a minha opinião!

Este livro é de 1993 e as suas páginas já mostram sinais do tempo: para mim, tornam-no ainda mais especial!

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Opinião :: O Livreiro de Paris | Nina George

Título: O Livreiro de Paris
Autora: Nina George
Editora: Editorial Presença
Ano: 2017

Sinopse:
Jean Perdu é proprietário de um negócio tão especial quanto extraordinário: a Farmácia Literária, uma livraria instalada num barco atracado no rio Sena, em Paris. Ao invés de vender medicamentos, receita livros como remédio para os males da alma. Porém, embora saiba aliviar a dor dos outros, não consegue atenuar a sua própria dor. O que Monsieur Perdu não sabe é que a descoberta de uma carta do seu passado está prestes a mudar-lhe o destino. Depois de a ler, Jean encontra-se numa encruzilhada: continuar uma existência sombria e dolorosa ou embarcar numa viagem ao Sul de França, até à Provença, ao encontro da reconciliação com o passado e da beleza da vida.

Opinião:
O que mais me chamou a atenção ao conhecer o livro foi a Farmácia Literária: acredito que muitos livrólicos fossem adorar entrar naquela farmácia, quer para lhes serem receitados livros, quer para conhecerem Jean Perdu.
Criei uma certa empatia com este livreiro, pois ele detém um conhecimento vasto em literatura, gosta de gatos e leva uma vida pacata. No entanto, percebe-se logo de início que há algo que o preocupa e o mói por dentro: aos poucos fui descobrindo o seu passado e acompanhando o presente... e achando que, de alguma forma, ele faz jus ao seu apelido! 😉
A leitura levou-me à viagem de Perdu pela França: fui imaginando o rio, as montanhas, as casas e também as cores, os sabores e os cheiros. De igual modo, fui conhecendo melhor o passado amoroso de Perdu.
Agradou-me a abordagem que a autora fez à morte e ao luto. O assunto é complexo e difícil de gerir quando, de repente, nos vemos nessa situação. Penso que a forma como a personagem acaba por lidar com o luto é viável, bonita e pode mesmo ser uma ajuda a um leitor enlutado.
A escrita é muito boa, informal e consegue activar os nossos sentidos. Senti-me a viajar com Perdu pelas belas paisagens francesas e até fiquei a conhecer alguns pratos típicos: o livro traz algumas receitas que parecem ser deliciosas! Além disso, traz também uma lista de livros a ler quando estivermos doentes. Ficamos assim com um óptimo farmacêutico em casa!
Leiam este livro: é encantador!

terça-feira, 25 de julho de 2017

Livro recebido :: "No Rasto do Predador"

Olá! Hoje tenho para vos mostrar este livro: No Rasto do Predador, de Wilbur Smith com Tom Cain. Este é mais um thriller que estou ansiosa por ler, pois estou cada vez mais fã deste género literário!
O livro é relativamente recente, mas já o conheciam?

Título: No Rasto do Predador
Autores: Wilbur Smith com Tom Cain
Editora: Editorial Presença
Ano: 2017

Sinopse:
Hector Cross, ex-agente SAS, perito em segurança privada, viúvo. A sua mulher desapareceu cedo demais, cruelmente assassinada. Johnny Congo - psicopata, extorsionista, terrorista - é o homem que Cross quer ver morto. Tal como as autoridades americanas. Congo é levado para o corredor da morte da prisão mais segura do mundo. Duas semanas apenas o separam do dia da sua execução. Ele quer fugir. Já se evadiu uma vez e sabe que pode fazê-lo de novo. Cross, ainda mal refeito do seu confronto com Congo, regressa à ação. Em pleno Atlântico, navega o superpetroleiro Bannock A. Ataques terroristas na zona provocam o pânico e só uma pessoa pode assegurar a proteção do navio. O que foi prometido como algo fácil é muito mais do que isso - é uma missão que irá pôr à prova os limites emocionais e físicos de Cross. Mas o seu passado como agente SAS e a sua experiência em segurança privada tornaram-no capaz de enfrentar todos os perigos. Conseguirá desta vez apanhar a sua presa?

sábado, 22 de julho de 2017

Opinião :: Eu Amo Você | Nilton

 Título: Eu Amo Você
Autor: Nilton
Editora: Livros d'Hoje
Ano: 2011 (7.ª edição)

Sinopse:
Este é um livro de humor que disserta sobre todos em geral e os portugueses em particular. Pequenos pensamentos ou grandes ideias sobre o nosso dia-a-dia. Duzentas páginas de dúvidas de um autor que vive fascinado com a essência do ser português.

As pessoas que se divorciam não deveriam ser obrigadas a devolver os presentes?

Porque é que quando estamos na dúvida se o leite está azedo e pedimos a alguém para provar, essa pessoa prova? Em vez de um acordo ortográfico, entre Portugal e Brasil não será mais urgente fazer um acordo pornográfico?

Um pai que tem gémeos vive descansado. Acontece alguma coisa a um, tem outro. Telefonam da escola a dizer: «O seu filho partiu a cabeça», e o pai pensa: «Não me importa, tenho aqui outro igualzinho, está impecável!» Porque é que as pessoas folheiam os livros novos na livraria?

Estão com a esperança de encontrar lá alguma coisa sobre eles?

Já agora, a crise manda-lhe um abraço e avisa que vai chover para a semana.


Opinião:
Após ter lido o livro Paga O Que Deves!, reencontrei o mesmo tipo de humor e de escrita de Nilton em Eu Amo Você. Os dois livros são bastante semelhantes no seu conteúdo, mas acho que gostei um pouco mais deste do que do outro, talvez por se centrar mais nas questões do dia-a-dia e no povo português.
Tendo sido pela primeira vez editado em 2009 - parecendo que não, já lá vão oito anos... - , Eu Amo Você possui alguns assuntos e personalidades da época, o que me fez recordá-los e me deixou até de sorriso no rosto, tendo sido também mais fácil entender as piadas. ☺
Em suma, foi um livro bom de ler, agradável e engraçado, sendo uma leitura apropriada para um fim-de-semana ou outra altura em que desejemos desanuviar lendo algo leve.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Livro recebido :: "O Grito do Corvo"

Ora viva! Quero partilhar convosco este novo livro: O Grito do Corvo, de Sandra Carvalho. Este é o terceiro livro da trilogia Crónicas da Terra e do Mar que tem como pano de fundo o arquipélago dos Açores. Tenho para mim que esta leitura me vai fazer viajar um pouco... ☺

 Título: O Grito do Corvo
Autora: Sandra Carvalho
Editora: Editorial Presença
Ano: 2017

Sinopse:
Os piratas do Rouxinol veem-se cada vez mais longe de saquear o ouro da galé castelhana Niña del Mar devido aos estragos causados pela violenta tempestade que se abateu sobre o barinel. A descoberta da identidade de Leonor faz com que Corvo queira regressar de imediato aos Açores, para entregá-la à guarda do pai. Porém, a tripulação discorda e o caos instala-se a bordo. O que Leonor mais deseja é lutar ao lado dos companheiros e recuperar a confiança de Corvo. No entanto, Tomás Rebelo continua a precisar dela para alcançar o propósito funesto que o levou a assenhorear-se de Águas Santas. Conseguirá Leonor chegar incólume à misteriosa ilha das Flores, conhecer o Açor e abraçar a irmã, ou acabará abandonada por Corvo, à mercê dos caprichos do abominável Tomás Rebelo?

domingo, 16 de julho de 2017

Opinião :: O País do Carnaval | Jorge Amado

Título: O País do Carnaval
Autor: Jorge Amado
Editora: Planeta de Agostini
Ano: 2002 (49.ª edição)

Sinopse:
Diante da grandiosidade da natureza, o brasileiro pensou que isto aqui fosse um circo. E virou palhaço...
Este livro pretende contar a história de um homem que, tendo vivido na velha França muito tempo, voltou à Pátria disposto a encontrar o sentido da sua vida.
Conta a sua luta, o seu fracasso. Conta a luta dos seus amigos, rapazes de talento, que falharam na existência.
Este livro é um grito. Quase um pedido de socorro.
É toda uma geração insatisfeita que procura a sua finalidade.
Nós já começamos a luta contra a dúvida. A geração que chega combate as atitudes céticas.
Este livro narra a vida de homens céticos que, entretanto, procuram uma finalidade. Tentaram alcançá-la. Uns no amor, outros na religião. O fracasso das tentativas não é prova da sua inutilidade.

 
Opinião:
O País do Carnaval foi o primeiro livro escrito por Jorge Amado, em 1930. Perante a sinopse desta edição, a minha curiosidade aumentou exponencialmente. De facto, ao julgar qualquer livro pela capa ou pelo título não fazemos as melhores conclusões sobre o mesmo. Inicialmente, pensava que este livro contava uma história que retratasse um Brasil alegre, colorido, de espírito carnavalesco. No entanto, quer a sinopse, quer o texto introdutório escrito por Augusto Frederico Schmidt (uma carta direccionada ao autor), explicam-nos perfeitamente o que vamos encontrar na obra.

Esta é a história de um grupo de homens que procura o sentido das suas vidas. Juntos discutem filosofias, questionam o amor, a política, a escrita e a religião e, individualmente, tiram as suas conclusões.

A história está cheia de metáforas e ironias inteligentes. Em quase todo o livro encontramos diálogos e pensamentos acerca das dúvidas existenciais das personagens. Por vezes achei um pouco de mais, mas no fim acabei por achá-las necessárias. A visão de cada um sobre a vida permite-nos reflectir sob diferentes perspectivas; tal como as personagens, fui assimilando as opiniões e criando a minha própria ideia acerca do assunto. Gostei desta liberdade de pensamento e do espírito vanguardista de Jorge Amado.

À parte das questões filosóficas, existe também algum romance que, parecendo à partida algo simples e natural, suscitou igualmente muitas dúvidas em algumas personagens.

Mais uma vez, Jorge Amado faz um retrato da sociedade brasileira da época (que, na verdade, foi o primeiro) com uma escrita muito simples e característica, à qual já me habituei e tenho apreciado cada vez mais.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Livro recebido :: "A História Secreta de Twin Peaks"

Olá a todos! Este foi mais um livro que chegou à minha estante: A História Secreta de Twin Peaks, de Mark Frost. Admito que não conhecia a série Twin Peaks porque não sou grande fã de séries televisivas, mas estou bastante interessada em descobrir a sua história neste livro. Já o folheei e o seu conteúdo é absolutamente tentador!

Título: A História Secreta de Twin Peaks
Autor: Mark Frost
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016

Sinopse:
Twin Peaks, a mais icónica cidade da televisão, guarda muitos mais mistérios para além do assassinato de Laura Palmer. O co-criador da série, Mark Frost, revela-nos, nesta magnífica obra, a vida desta aparentemente tranquila cidade.

domingo, 9 de julho de 2017

Colecção "Ler Faz Bem" da Revista Visão #7

Boa tarde! Aqui está o meu sétimo exemplar da colecção Ler Faz Bem da revista Visão. O livro deste mês é A Mulher de Trinta Anos, de Honoré de Balzac.
Já adquiriram o vosso?

Título: A Mulher de Trinta Anos
Autor: Honoré de Balzac
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Júlia é uma jovem encantadora e romântica que, contra a vontade do pai e uma série de maus presságios, teima em casar com o belo Vítor d'Aiglemont. Uma vez casada, rapidamente descobre que o homem a quem se uniu para toda a vida é afinal um ser medíocre, que mal sabe distinguir a mulher do cavalo.
Impossibilitada de viver o verdadeiro amor - que lhe devota Artur - devido à sua má escolha e à servidão perpétua que ela acarreta, Julie vai amadurecendo e revendo a sua forma de encarar o amor e o papel da mulher na sociedade e no casamento.
Bela e riquíssima reflexão sobre a condição e o amadurecimento femininos, A Mulher de Trinta Anos é um dos mais famosos livros de Balzac e aquele que cunhou o termo que é desde então sinónimo da beleza da mulher madura: balzaquiano.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Opinião :: Suor | Jorge Amado

Título: Suor
Autor: Jorge Amado
Editora: Planeta de Agostini
Ano: 2002 (49.ª edição)

Sinopse:
Os ratos passaram, sem nenhum sinal de medo, entre os homens que estavam parados ao pé da escada escura. Era escura assim de dia e de noite e subia pelo prédio como um cipó que crescesse no interior do tronco de uma árvore. Havia um cheiro de quarto de defunto, um cheiro de roupa suja, que os homens não sentiam. Também não ligavam aos ratos que subiam e desciam, apostando carreira, desaparecendo na escuridão.
Vermelho e pequenino, um dos homens limpava com a manga da camisa o suor do rosto, que o outro, preto e agigantado, deixava que brilhasse na testa de carvão. O terceiro, cujos dentes salientes davam-lhe um aspecto de cão selvagem, trazia a camisa pregada ao corpo e mastigava um cigarro apagado.

Opinião:
Algum tempo depois, decidi voltar a descobrir as obras de Jorge Amado e desta vez peguei no livro Suor. Este livro foi escrito em 1934 e fala sobre as condições precárias em que o proletariado vivia e na vontade de fazer justiça em relação às diferenças entre eles, os patrões e os ricos. Tendo como plano de fundo um prédio onde vivem centenas de pessoas, o autor apresenta algumas personagens e revela o seu dia-a-dia, as condições de vida, de higiene e de trabalho e também os seus pensamentos e sonhos. Como tem sido hábito nos seus livros, o autor recorre muitas vezes à ironia e ao humor para descrever os problemas que se viviam.
A história está dividida em vários episódios, uma espécie de contos, que falam sobre vários temas. Durante a leitura, recordei-me do livro Cacau, publicado um ano antes, quando se faz referência aos imigrantes em busca de fortuna nas fazendas de cacau. Penso que estes são dois livros que se complementam nas suas ideias, mas ao mesmo tempo são bastante distintos!
É um livro pequeno, agradável e rápido de se ler. É óptimo para conhecer mais sobre a cultura brasileira e até mesmo para pensar um pouco nas críticas sociais que, apesar de serem de há 83 anos, ainda se podem aplicar actualmente...

domingo, 2 de julho de 2017

Taça das Confederações 2017

Hoje escrevo sobre a Taça das Confederações que decorreu este ano na Rússia e na qual a selecção portuguesa participou pela primeira vez, já que é actualmente a campeã europeia.
Até bem pouco antes do início da competição, não fazia ideia da sua existência e muito menos do porquê de acontecer. Após uma breve pesquisa, fiquei a conhecer melhor como funciona e, como Portugal estava lá, segui com entusiasmo o seu percurso.
A competição foi pequena e contou apenas com a presença de oito selecções. Vibrei quando Portugal passou à meia-final mas fiquei com pena de não ter chegado à final. Alguém tem de ficar pelo caminho... Só um é que ganha!

A esta hora, vocês devem estar a perguntar: E qual é o propósito deste texto?!.

Pois bem, este texto é um pequeno desabafo. Desde a nossa derrota, tenho relembrado várias vezes as palavras de Marcelo Rebelo de Sousa após a nossa vitória na Eurovisão, que dizia que agora os portugueses iam achar que iriam ganhar tudo na vida. Ora, como ganhámos o Euro e a Eurovisão, ficava bem conquistar também a Taça das Confederações... Mas não conseguimos. Assim, foi inevitável não pensar que a maioria dos portugueses iria criticar a selecção pela derrota, pois o seu dever seria continuar a arrecadar taças e títulos e mostrar que os portugueses é que são os melhores...
Pois... Tal como muitos, fiquei um pouco desiludida com a derrota, mas nunca com a nossa selecção!
Nos últimos tempos, Portugal tem conseguido resultados e feitos históricos que nos têm deixado tremendamente orgulhosos. No entanto, há que ter a noção de que é impossível ser-se bom em tudo, conseguir ganhar tudo, estar sempre no topo.
Penso que devemos estar todos orgulhosos por Portugal ter sido representado pela primeira vez pela selecção neste breve campeonato e ter conseguido logo chegar ao terceiro lugar! Foi um jogo sofrido, mas ainda bem que foi favorável para nós. 😉
E dou os meus parabéns à selecção da Alemanha por ter ganhado a Taça. Só lamento alguns incidentes que houve durante o jogo: poderia ter sido muito mais bonito...

sábado, 1 de julho de 2017

Livro recebido :: "O Livro dos Chacras"

Olá a todos! Hoje vou mostrar-vos um livro novo: O Livro dos Chacras, de Osho. Este livro aborda a ciência esotérica, da qual não tenho qualquer conhecimento. Sempre fui muito céptica em relação a este género de temas, mas confesso que é algo que gostaria de compreender melhor. Penso que este livro me vai oferecer muita informação: já o folheei e vi que tenho muito para ler! Mas isso não é algo que me aborreça... 😁

Título: O Livro dos Chacras
Autor: Osho
Editora: O Castor de Papel
Ano: 2017

Sinopse:
Nestas páginas, Osho dá-nos uma perspetiva da ciência ocidental dos centros de energia subtil do corpo humano, por vezes conhecidos por "chacras". Trata-se de uma ciência subjacente à medicina tradicional chinesa, ao Ayurveda indiano, e à prática do yoga kundalini, entre outras disciplinas que reconhecem a ligação profunda entre a mente e o corpo. Osho mostra ainda como estes princípios se aplicam ao crescimento psicológico e ao amadurecimento humano e, também, à evolução da consciência.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Opinião :: A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert | Joël Dicker

Título: A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
Autor: Joël Dicker
Editora: Alfaguara
Ano: 2015

Sinopse:
Verão de 1975, Aurora. Nola Kellergan, uma jovem de quinze anos, desaparece misteriosamente da pequena vila costeira de Nova Inglaterra. As investigações da polícia são inconclusivas.
Primavera de 2008, Nova Iorque. Marcus Goldman, jovem escritor, vive atormentado por uma crise da página em branco, depois de o seu primeiro romance ter tido um sucesso inesperado. Sente-se incapaz de escrever, e o prazo para entregar o novo romance expirará dentro de poucos meses.
Junho de 2008, Aurora. Harry Quebert, professor universitário e um dos escritores mais respeitados do país, é preso e acusado de assassinar Nola Kellergan, depois de o cadáver da rapariga ser descoberto no seu jardim.
Alguns meses antes, Marcus, amigo e discípulo de Harry, descobrira que o professor vivera um romance com Nola, pouco tempo antes do desaparecimento da jovem. Convencido da inocência de Harry, Marcus abandona tudo e parte para Aurora para conduzir a sua própria investigação.O objectivo é salvar a sua carreira, escrevendo um livro sobre o caso mais quente do ano, e dar resposta à incógnita que inquieta toda a América: Quem matou Nola Kellergan?

Opinião:
Este livro foi qualquer coisa de espectacular! Dos melhores que já li até hoje.
A história é contada por Marcus Goldman, que nos dá a conhecer a sua vida, a sua relação de amizade com Harry Quebert e o caso que chocou a América em 1975 e que, de repente, é literalmente desenterrado da memória de todos. Perante as suspeitas aparentemente óbvias que recaem sobre Harry, o escritor e amigo Marcus começa a investigar o caso, juntamente da polícia, e a escrever um novo livro sobre o mesmo. Assim, vamos conhecendo as personagens que privaram com Nola Kellergan, a vítima, e viveram este mistério e, à medida que lemos as suas versões, vamos juntando todas as peças.
Devo dizer que não descansei enquanto não descobri o que aconteceu a Nola Kellergan. Li as quase 700 páginas de forma ávida numa semana. É, de facto, uma história viciante de leitura prazerosa. Até dei por mim a pensar no caso durante o dia!
Adorei o desenrolar da narrativa. Os capítulos estão numerados em ordem decrescente que, por sua vez, levam a um crescendo de curiosidade sobre a sua utilização - que ficamos a saber no livro - e, além disso, eles começam com conselhos de Harry para Marcus acerca da escrita e dos livros, que até poderão ser levados a cabo por quem se sentir impelido a escrever. No entanto, o espaço temporal é um pouco confuso, já que estamos sempre a voar no tempo e a voltar ao presente; por vezes, inclusivamente, relemos excertos de capítulos anteriores. Mas, no meu caso, não achei esse um ponto negativo: fiquei tão absorvida no enredo que só queria ler mais e mais!

Um bom livro é um livro que lamentamos ter acabado de ler.

Lamentei ter acabado de ler este livro. Senti-me também envolvida no caso e fiquei impressionada com todos os mistérios desvendados. Diria mesmo que me senti atordoada no final: o livro está cheio de descobertas incríveis até à última página. É um thriller repleto de suspense, romance e surpresa. Fantástico, formidável!
Vou ter saudades destas personagens. Que livro apaixonante!

sábado, 24 de junho de 2017

Livro recebido :: "A Mãe Eterna"

Olá! Quero mostrar o mais recente livro que chegou à minha estante: A Mãe Eterna, de Betty Milan. Tenho a certeza de que este livro irá emocionar-me, pois li a sinopse e revi familiares próximos em situação semelhante. Estou ansiosa por ler este relato: acredito que irá marcar-me.

Título: A Mãe Eterna
Autora: Betty Milan
Editora: Objectiva
Ano: 2017

Sinopse:
A filha está cansada de ver a mãe definhar, esgotada. Aos 98 anos, com a saúde debilitada, a mãe mal ouve e quase não vê. A filha, que se vê no papel de mãe da própria mãe questiona os médicos, as religiões, tudo. Para quê manter vivo alguém que já não vive?
Num relato comovente, em forma de diário, a filha descreve as peripécias do dia-a-dia com a mãe; ao mesmo tempo, este diário é um escape, um desabafo e um apelo à mãe - a mãe imaginária, a que tinha e já não tem, a que lhe lia, que a escutava e acalentava.
A mãe que fazia o papel de mãe.
Um livro forte, uma reflexão gritante de tão actual, A MÃE ETERNA apresenta-nos um dilema que mói a alma e nos faz questionar a vida, a morte e a relação mãe-filha. 

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Opinião :: Noites Escaldantes | Sylvia Day

Título: Noites Escaldantes
Autora: Sylvia Day
Editora: Chá das Cinco (Saída de Emergência)
Ano: 2014

Sinopse:
Connor é um guardião dos sonhos e está presente em todas as fantasias eróticas de mulheres. Ao vaguear no mundo etéreo, oferece às mulheres prazeres inimagináveis. Mas ele sabe que um terrível perigo ameaça destruir o seu mundo, bem como o mundo dos mortais, e assim é forçado a viajar à terra… e cair nos braços da sedutora Stacey Daniels.
Stacey sempre se sentiu atraída pelo tipo errado de homens e o homem musculado e de aparência viking que lhe surge à porta não é exceção. Mal consegue acreditar que o guerreiro ferido vem de outro mundo, um mundo onde sonhos eróticos são necessários para sobreviver, um mundo cheio de perigos que ele trouxe para a sua casa. Connor descobre conforto na paixão entre ambos e sente Stacey a render-se às suas promessas, mas apenas o tempo poderá dizer se isso será suficiente para derrotar o inimigo que o persegue…


Opinião:
Tenho de admitir que este livro me desiludiu. Atirei-me a esta leitura com demasiadas expectativas e não o deveria ter feito. O início da história não me cativou o suficiente para manter uma leitura regular, o que me fez deixar o livro de lado e ir lendo um dia ou outro, se me apetecesse. Acho que não estava à espera de tanta fantasia/distopia e isso foi o que menos me despertou interesse. Todavia, comecei a estar mais interessada na história nos últimos capítulos, altura em que ela ganhou mais acção e suspense. O final mostrou-se um pouco previsível e cliché, mas até gostei.
Tratando-se de um romance erótico, existem muitas cenas de sexo. E não, não são cenas leves... São bastante explícitas e descritas numa linguagem forte, recorrendo muitas vezes ao calão. De certa forma, é o que se espera nestes casos, não é?
Posso dizer que apreciei o romance que existe na história, mas esta não me marcou. Se eu fosse amante de distopias, acredito que tivesse gostado mais. Portanto, recomendo este livro a quem gostar de histórias fantásticas misturadas com um romance picante!

domingo, 18 de junho de 2017

Quando o Inferno desceu à Terra...

Incêndio em Pedrógão Grande
Chocante. Inacreditável. Inimaginável. Abomino os incêndios, mas este deixou-me particularmente transtornada. Que horror, que inferno... Tantas vítimas... O meu pensamento está em vocês e em todos os bombeiros e voluntários envolvidos, quer neste, quer em todos os incêndios que actualmente deflagram.

sábado, 17 de junho de 2017

Livro recebido :: "Voo Fantasma"

Boa tarde! Hoje tenho para partilhar convosco este novo livro: Voo Fantasma, de Bear Grylls. Além de escritor, Grylls é um famoso apresentador e aventureiro, conhecido principalmente pelo seu programa de televisão Man vs Wild. Penso que vou encontrar muita acção e mistério neste thriller inspirado em factos reais.

Título: Voo Fantasma
Autor: Bear Grylls
Editora: Marcador
Ano: 2017

Sinopse:
Uma mãe e um filho raptados de forma selvagem numa montanha cercada pela neve.
Um soldado leal, torturado e executado num lugar remoto da Escócia.
Um avião perdido, finalmente descoberto no coração da selva amazónica, que esconde um segredo perigoso que poderá libertar o mal na Terra.
Uma corrida desesperada para vencer uma conspiração assustadora nascida nos dias mais negros da Alemanha nazi.
E há algo que une tudo isto. Só um homem pode desvendar o segredo. Will Jaeger. O Caçador.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Review :: Jais | Jason Kasper

Title: Jais (David Rivers Series #1)
Author: Jason Kasper
Publisher: Jason Kasper
Year: 2016
Synopsis:
Welcome to the war.
David Rivers returns from combat to find the silence of peace deafening. Escaping into the thrill of BASE jumping keeps a darkness growing within him at bay, until a discharge from military service pushes him over the edge.
After brutally settling his final score, David is confronted by three men who emerge from the shadows, having watched unseen as he committed ruthless, cold-blooded murder.
Now, they want him to do it again.
David undertakes the single most dangerous assignment of his life, earning admission into the dark underworld of ex-special operators for hire and plunging headlong into a new war, where victory is defined by profit and the rules are set by the highest bidder.

But as the stakes - and the payoff - continue to rise, his pursuit of the impossible is turning into a battle for survival, and David must confront the growing realization that his greatest enemy may not be within after all. 
Jais, the debut novel by Jason Kasper, is the first book in the David Rivers Series.

Review/opinion:
I won this book on Goodreads and, in return, I must write a honest review of it.
First, I must say that this is not my favorite book genre at all. Perhaps, that's why I didn't like it as much as I wanted, because I always make an effort to enjoy every book I read.
This is a book about war. So, most of the excerpts are violent, heavy and sometimes the descriptions are quite explicit. While reading these parts, I felt a bit uncomfortable and now and then I didn't pay much attention on it.
Besides that, I found other things much more interesting about the story related to the main character, David Rivers, such as his problems and struggles in life. He writes about them and through it we can see how psychologically damaged he is. Thus, the depression and suicide issues are very present here.
Sometimes, romantic excerpts appear and, for me, as a romance fan, those are the best parts, although they are few and not as developed as I'd enjoyed. Anyway, this is not a romance book!
Final thoughts: my personal taste didn't allow me to enjoy very much the story but I didn't totally disliked: it was OK. I think it is a good book for thriller lovers because of its adrenaline.
The author's way of writing is appropriate for this type of story, which is a good aspect.
Once more, I must thank the author for the opportunity to read this book and I wish all the best for his career!

domingo, 11 de junho de 2017

Manias de leitora #2

Páginas vincadas... Nada como um simples marcador para as evitar!
Páginas vincadas, capas marcadas, folhas soltas... Quem mais não suporta ver isso?
Eu detesto! 😒
Adoro os meus livros e estimo-os o melhor que posso! Não sou propriamente maníaca, mas gosto de ver os livros em bom estado. Assim, quando alguém me empresta algum, tenho todo o cuidado em devolvê-lo como estava; da mesma maneira, quando empresto um dos meus, espero que seja bem tratado!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Opinião :: Flashback - Memórias Esquecidas | Orquídea Polónia

Título: Flashback - Memórias Esquecidas
Autora: Orquídea Polónia
Editora: Chiado Editora
Ano: 2016

Sinopse:
“O ar estava carregado, os meus sentidos alertavam-me que algo de negativo se passava lá. As paredes altas de cimento davam-me a sensação de estar presa. O chão de madeira a chiar debaixo de mim provocava-me arrepios.”
Após um misterioso acidente, Anabela acorda sem qualquer memória daquilo que teria sido a sua vida. Assim, vê-se envolvida num mar de incerteza e solidão, sem qualquer vestígio da pessoa que fora um dia. As suas novas amizades permitem-lhe ir descortinando o seu passado, encontrando toda uma vida prévia ao acidente: uma família, uma casa luxuosa e um marido. No entanto, aquilo que ela descobre também a coloca em perigo e as suas memórias tornam-se alarmes sonantes de um passado imperfeito. Deverá Anabela confiar na vida que tivera um dia e nas pessoas que lhe eram próximas? Ou deverá construir um novo caminho segundo o que lhe dita o coração?

Opinião:
Tenho de admitir que a sinopse deste livro é muito convidativa e encheu-me de curiosidade para descobrir todo o mistério neste período da vida de Anabela. De facto, é possível que muitos de nós já tenhamos questionado como seria a nossa vida se sofrêssemos algum acidente e nos esquecêssemos de tudo aquilo que fomos, fizemos e conhecemos. O que faríamos? É focando nesta questão que a autora nos dá a conhecer (a nós, leitores, e às próprias personagens) a vida de Anabela.
O tema da história é muito interessante, no entanto penso que poderia ter sido muito mais desenvolvido. A acção desenrola-se demasiado rápido e, por vezes, de forma muito previsível. Cheguei até a comparar este enredo com a série Inspector Max, em que o crime, a investigação e a resolução do caso acontecem em meia hora e acaba tudo em bem. Mas, atenção, não é por isso que deixamos de ver, pois não? :)
Apesar dos aspectos negativos, gostei da história: teve suspense, romance e acção e abordou vários assuntos que se ouvem falar no quotidiano. As ideias foram boas; só faltou mesmo desenvolvê-las!
Este livro é pequeno (não chega às 150 páginas) e eu li-o numa manhã e numa tarde de Domingo. Acho, por isso, uma boa leitura de fim-de-semana: leve, fluída e nada maçadora.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Colecção "Ler Faz Bem" da Revista Visão #6

Viva! Já tenho o sexto exemplar da colecção Ler Faz Bem: este mês é o livro O Alienista, do escritor brasileiro Machado de Assis. E num instante já vamos a meio da colecção!
Quem também já o tem?

Título: O Alienista
Autor: Machado de Assis
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Quem é louco? Esta é a questão que Machado de Assis se coloca neste conto, publicado entre 1881 e 1882 na revista carioca A Estação e logo de seguida no volume Papéis Avulsos. O Alienista conta a história do eminente doutor Simão Bacamarte, médico e dedicado estudioso da mente humana, que decide construir a Casa Verde, um hospício para tratar os doentes mentais na pequena cidade de Itaguaí. Nesta narrativa, Machado de Assis mostra-nos que tudo é relativo e a normalidade nem sempre é aquilo que a ciência e os factos atestam de forma absoluta.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Livro recebido :: "Se Eu Fosse Tua"

Bom dia! Quero partilhar o mais recente livro que se juntou à colecção: Se Eu Fosse Tua, de Meredith Russo. A sinopse deixou-me muito curiosa e verifiquei também que este romance foi inspirado em parte da vida da autora. Estou muito expectante!
O que me têm a dizer sobre o livro? Já leram?

Título: Se Eu Fosse Tua
Autora: Meredith Russo
Editora: Nuvem de Tinta
Ano: 2017
Sinopse:
Mudar de escola no último ano e ser a miúda nova do liceu nunca é fácil para ninguém. Amanda Hardy não é excepção: se quiser fazer amigos e sentir-se aceite, terá de baixar as defesas e deixar que os outros se aproximem. Mas como, quando guarda um segredo tão grande? Quando tenta a todo o custo esconder o seu passado e começar uma vida nova?
Para piorar as coisas, apaixona-se perdidamente pelo rapaz mais popular do liceu e tudo o que mais quer é contar-lhe a verdade. Será que ele é tão especial quanto parece? Poderá confiar nele?
Uma história inspiradora e comovente que nos enche o coração e nos ensina que o amor mais verdadeiro e profundo nasce da coragem de sermos nós mesmos.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Review :: Logos | John Neeleman

Title: Logos: a novel of Christianity's origin
Author: John Neeleman
Publisher: Homebound Publications
Year: 2015

Synopsis:
Logos is a bildungsroman about the anonymous author of the original Gospel, set amid the kaleidoscopic mingling of ancient cultures.
In A.D. 66, Jacob is one of Jerusalem's privileged Greco-Roman Jews. When Roman soldiers murder his parents and his beloved sister disappears in a pogrom led by the Roman procurator, he joins Israel's rebellion against Rome. The rebellion he helps to foment leads to more tragedy - personal and, ultimately, cosmic: Jacob's wife and son perish in Rome's siege of Jerusalem, and the Romans destroy Jerusalem and the Temple, and finally extinguish Israel at Masada. Jacob wanders, and in Rome, he joins other dissidents - plotting vengeance not by arms, but by the power of an idea.
Paul of Tarsus, Josephus, the keepers of the Dead Sea Scrolls, and the historical Jesus himself each play a role in Jacob's tumultuous fortunes, but the women who have loved him compel the transforming and subversive climax.

Review:
Just out of curiosity, I started reading this book the day before Easter and I was quite curious about its content: not only due to the paschal feasts in which I was envolved (and the similar ones I found on the book), but also because I had never read a religious book, not even a fictional one, before.
In Logos, we find the story of Jacob, a Jew who struggles with a lot of personal problems and, at the same time, joins the Israel's rebellion that wants to save the city of Jerusalem and the Holy Temple from the Romans. However, it all ends destroyed and he finds himself lost. Along the reading, we discover his unexpected destiny.
This book is not an easy book: the writing is heavy, mostly when we read the descriptions of the wars, the worship rituals and sacrifices and sometimes the sexual episodes. The first part of the book was the hardest for me: now and then I lost my attention on it. Nevertheless, there are also many descriptions of the places where Jacob was: all of them reminded me of those movies that we see on TV on Easter day. Also, the story has its own romantic vein, which was very agreeable.
The end of the book was unexpected for me and I liked the origin of this new religion: Christianity. In the end, I understood the relation between the whole Jacob's life and the story told on his writings, The Gospel. This gave me a better idea of this book.
I must say it was a really tough reading, but I enjoyed very much.

sábado, 27 de maio de 2017

Livro recebido :: "Rufina"

Viva! Hoje mostro-vos um livro que recebi há pouco tempo: Rufina, de Miguel Soares de Albergaria. Ganhei o livro num passatempo online que me permitiu ter conhecimento da sua editora, Companhia das Ilhas, que publica e divulga trabalhos de escritores açorianos.
Ao folhear o livro, constatei que a história é ficcional mas baseada em factos reais e decorre no início do século XX. Penso que vou gostar da leitura!

Título: Rufina
Autor: Miguel Soares de Albergaria
Editora: Companhia das Ilhas
Ano: 2016

Sinopse:
Maria Rufina embarcou para os Açores em 1880, para aí viver com duas tias, depois de, ao ter ficado órfã, ter sido internada no hospício de alienados de Recife-Olinda. Em Ponta Delgada casou-se, nasceu-lhe um filho, para, cinco anos depois, na bancarrota de Portugal, o marido falir e suicidar-se. Duas alternativas restaram a Rufina. Ao decidir entre elas, escolheu a pessoa que seria, abriu um futuro ao filho, como ainda estabeleceu o sentido por que este a interrogou para se orientar na crise política do país no início do séc. XX.
Uma história inspirada em pessoas e factos reais.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Opinião :: Não Digas Nada | Mary Kubica

Título: Não Digas Nada
Autora: Mary Kubica
Editora: Topseller
Ano: 2014

Sinopse:
Tenho andado a segui-la nos últimos dias. Sei onde faz as compras de supermercado, a que lavandaria vai, onde trabalha. Nunca falei com ela. Não lhe reconheceria o tom de voz. Não sei a cor dos olhos dela ou como eles ficam quando está assustada. Mas vou saber.
Filha de um juiz de sucesso e de uma figura do jet set reprimida, Mia Dennett sempre lutou contra a vida privilegiada dos pais, e tem um trabalho simples como professora de artes visuais numa escola secundária.

Certa noite, Mia decide, inadvertidamente, sair com um estranho que acabou de conhecer num bar. À primeira vista, Colin Thatcher parece ser um homem modesto e inofensivo. Mas acompanhá-lo acabará por se tornar o pior erro da vida de Mia.
Tudo se transforma em pesadelo quando Colin rapta Mia e esta descobre que está a ser vítima de uma trama de extorsão contra a sua família. Mas o plano inicial toma um rumo inesperado e Colin acaba por se ver obrigado a manter Mia reclusa numa cabana isolada do Minnesota, escondendo-a, e a si próprio, da polícia e dos criminosos que o contrataram.

Opinião:
Não sei ao certo o que dizer sobre o livro... Adorei-o mas ao mesmo tempo senti que faltou qualquer coisa, talvez algo que me tivesse impressionado mais.
Ao longo do livro, vamos conhecendo o antes e o depois do desaparecimento de Mia, que foram contados na primeira pessoa, alternadamente entre Eve (a mãe de Mia), Colin (o seu raptor), e Gabe (o inspector do caso). Achei interessante este modo de contar a história, pois vamos juntando as peças e desvendando todos os acontecimentos, o que tornou o livro mais viciante. Como temos três oradores, conseguimos perceber também as diferenças de personalidades, bem como as posições deles em relação ao caso e à própria Mia.
O enredo tomou rumos pelos quais eu não estava nada à espera, e isso foi muito bom! A história está muito bem construída e aborda assuntos sérios que por vezes ouvimos falar no quotidiano, como por exemplo a síndrome de Estocolmo que às vezes as vítimas de alguma espécie de crime desenvolvem.
Gostei muito da escrita da autora, cujas descrições eram inesperadas e cativantes. Senti que estava a ouvir os desabafos das personagens, vindos do fundo do coração, tão diferentes e convictos que fiquei de certa forma indecisa em relação à minha própria opinião acerca deste caso particular.
O final divergiu muito do que eu imaginava e foi, assim, igualmente inesperado. Penso que não foi um final pomposo, que me tivesse satisfeito. Fiquei com a sensação de que o livro estava incompleto, que a história devia continuar. Talvez fosse esse aspecto que menos me agradou no livro. Apesar disso, adorei-o! Li-o relativamente rápido (numa tarde li metade) e, como já referi, é um livro viciante. Uma excelente leitura para quem gosta de thrillers e de mistérios.

domingo, 21 de maio de 2017

Received book :: "Sense & Sensibility"

Hello! Recently I received a new book: Sense and Sensibility, by Jane Austen. I won this book in a giveaway ran on Maggie's Books' blog.
This is a classic from the early 19th century which depicts the English society in a comic way.
Have you already read this book?

Title: Sense and Sensibility
Author: Jane Austen
Publisher: Dover Publications
Year: 1996 (first published in 1811)

Synopsis:
Within the insular world of the English countryside, among struggling clerical families, husband-hunting mothers and daughters, country fools and snobs, Jane Austen found the raw material she needed to write brilliant novels widely admired for their satiric wit, subtlety and perfection of style. Sense and Sensibility is one of the best of these. It is the story of two sisters, Elinor and Marianne Dashwood, who represent sense and sensibility, respectively. When both appear to be deserted by the young men they had intended to marry, the stage is set for a delicious comedy of manners that not only showcases Austen's perception humor and incomparable prose, but offers a splendid glimpse of upper and middle-class English society of the early 19th century.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Livro recebido :: "Nunca me Esqueças"

Olá! A última semana foi marcada pela Eurovisão e, por isso, andei mais afastada dos livros, mas tenho já várias opiniões escritas que hei-de publicar em breve.
E hoje venho mostrar o livro que recebi no meu aniversario: Nunca me Esqueças, de Lesley Pearse. É mais um para a colecção que tenho da autora!
Quem já o leu?

Título: Nunca me Esqueças
Autora: Lesley Pearse
Editora: Edições ASA
Ano: 2017 (15.ª edição)

Sinopse:
Naquele que seria o dia mais decisivo da sua vida, Mary - filha de humildes pescadores da Cornualha - traçou o seu destino ao roubar um chapéu. O seu castigo: a forca.
A sua única alternativa: recomeçar a vida no outro lado do mundo.
Dividida entre o sonho de começar de novo e o terror de não sobreviver a tão dura viagem, Mary ruma à Austrália, à época uma colónia de condenados. O novo continente revela-se um enorme desafio onde tudo é desconhecido… como desconhecida é a assombrosa sensação de encontrar o grande amor da sua vida. Apaixonada, Mary vai bater-se pelos seus sonhos sem reservas ou hesitações. E a sua luta ficará para sempre inscrita na História.
Inspirada por uma excepcional história verídica, Lesley Pearse - a rainha do romance inglês - apresenta-nos Mary Broad e, com ela, faz-nos embarcar numa montanha-russa de emoções únicas e inesquecíveis.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Música :: Salvador, o nosso salvador

Salvador Sobral, vencedor do Eurovision Song Contest 2017 (imagem retirada da Internet)
Já muitos textos e artigos foram escritos sobre a vitória de Portugal no Festival Eurovisão, mas eu não podia deixar passar o acontecimento sem escrever... sem desabafar!
Portugal ganhou mesmo a Eurovisão. Ainda não acredito bem nisto. Foi um sonho tornado realidade! Esperei por este momento durante anos e nunca pensei que fosse acontecer em tão pouco tempo, muito menos no meu aniversário. O meu coração ia sofrendo um ataque aquando das votações, pois logo no início recebemos doze pontos e imediatamente previ a vitória. Não deveria ter sofrido tanto por antecipação, mas foi a percepção de que aquilo ia correr-nos bem que me deixou assim. Os pontos foram chegando, nunca arredámos pé do primeiro lugar e no meu coração não cabia a felicidade e o orgulho de ouvir tantos "twelve points go to Portugal!"! O momento foi mágico, inacreditável e emocionante, principalmente quando chegou a vez de Israel votar e o porta-voz despedir-se da Eurovisão, justificando a saída do país do certame e dando-nos "doze pontos" em português. Foi lindo!
A soma dos votos do júri e do público resultou numa pontuação recorde para um vencedor eurovisivo. Tivemos 758 pontos. Inimaginável!
O Salvador recebeu o tão desejado troféu e fez um discurso polémico mas que me fez aplaudi-lo de pé. A Eurovisão não é um concurso onde apenas as músicas festivaleiras, poderosas e cheias de efeitos têm direito a vencer. Durante anos, principalmente na primeira década de 2000, as músicas foram marcadas pelas roupas exuberantes, pelas danças e representações, por vozes fortes que mostravam o poder vocal dos intérpretes. As canções pop cada vez mais foram sendo em inglês e quem fugisse à regra era prejudicado. E aqui falo de Portugal: já levámos muito boas músicas, que não ganharam por razões que nunca hei-de saber ou perceber, mas também outras mais fracas, principalmente nos últimos anos. Quase sempre passámos despercebidos no meio dos "tubarões", dos que ganham tudo, dos que se ajudam mutuamente e nunca nos esmerámos em levar uma música realmente boa. Contudo, nunca deixámos de cantar em português e, acreditem, que não era por isso que não ganhávamos.
Precisávamos deste interregno. Melhorámos o nosso Festival da Canção e até aceitámos músicas em inglês. Houve vários estilos, várias vozes e muita polémica. O Salvador ganhou o FC e muitos pensaram que ia correr mal. Mas desde o início que ele teve destaque. Pela primeira vez Portugal foi destacado em toda a Europa pela sua canção e pelo poder dela. E o seu poder não estava nas notas agudas, nos gritos estridentes, na batida pop nem na letra que fica no ouvido. O poder estava na melodia, na voz do Salvador que se exprimiu corporal e musicalmente bem. Cantou em português e a mensagem chegou a todos! Ganhou uma canção calma e cheia de significado que foi uma lufada de ar fresco para a Eurovisão. Ganhou a diversidade!
Não quer isto dizer que as músicas festivaleiras vão acabar. Não vão nem devem! Mas quer dizer que se deve valorizar a diversidade de estilos, de melodias, de idiomas e aceitar as diferenças. Este pode ter sido o ano de mudança. Que bom que foi Portugal a dar o primeiro passo!
Os irmãos Sobral actuaram juntos no final. No meio de um público em silêncio, emocionado e atento, eles repetiram o momento ternurento da final do FC. Foi maravilhoso, que felicidade!


Além desde título, os irmãos ganharam também outros dois prémios: a Luísa o de melhor compositor e o Salvador de melhor intérprete. Eles estão mais do que de parabéns!
Finalmente conseguimos uma vitória e podemos deixar de dizer que o nosso melhor lugar foi o sexto de Lúcia Moniz. Admito que vai deixar saudades, mas o meu coração não tem cor e pode amar pelos dois! 😉
Assim terminou esta edição do Eurovision Song Contest. Nunca me hei-de esquecer deste dia, deste ano. Parabéns, Portugal!
And, next year, see you in Lisbon!

sábado, 13 de maio de 2017

13 de Maio - Um dia especial que vai marcar a História

Imagem retirada da Internet
 Hoje é dia 13 de Maio. Sabem o que significa? Pois é, é o dia do meu aniversário! E, por acaso, já recebi um livro, mas depois mostro-vos noutro post. Para mim, é um dia especial também por causa do meu aniversário, mas hoje, exceptionalmente, vai ficar marcado na História do mundo católico, pois comemora-se o 100.º aniversário da primeira aparição de Nossa Senhora aos pastorinhos e, também, a canonização de Jacinta e Francisco Marto, cujas celebrações decorrem na presença do Papa Francisco em Fátima. As atenções estão todas em Portugal e é um momento único, emocionate e de muito orgulho para todos nós.

Salvador Sobral (imagem retirada da Internet)

Além disso, hoje é a Grande Final do Festival Eurovisão e, mais uma vez, tenho de dizer o quão ansiosa estou por assistir a esta final! O Salvador Sobral subiu ontem para primeiro lugar nas apostas online e a vitória de Portugal está cada vez mais longe de ser apenas um sonho. Quero, quero tanto ver Portugal a ganhar a Eurovisão hoje! Força, Salvador!

Festejos no Marquês de Pombal (imagem retirada da Internet)
Como não há duas sem três, hoje também pode ser um dia de glória para o Benfica. Apesar de eu ser portista, não sou adepta ferrenha e hoje até gostava de ver o Benfica a sagrar-se campeão pela quarta vez consecutiva, apenas por ser no dia que é e por ser mais uma razão para celebrar.

Portanto, hoje é um dia cheio para mim, para Portugal e para muitas outras pessoas. Espero que seja um dia memorável pelas melhores razões!

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Música :: 2.ª Semi-final do Eurovision Song Contest 2017

Ontem ficámos a conhecer as restantes músicas a concurso no Festival Eurovisão. Contudo, tenho de admitir que esta foi uma semi-final mais fraca do que a primeira e que as melhores canções, na minha opinião, apareceram no fim.
Desta vez não adorei nenhuma música, mas a minha preferida foi, sem dúvida, a da Bielorrússia. Apesar do título ser em inglês, a dupla cantou na língua materna e a alegria da canção foi uma lufada de ar fresco. Ainda bem que passou à final!


Também a Hungria levou uma música cantada na sua língua. Mesmo não sendo uma das minhas favoritas, gostei da sonoridade cigana e da sua originalidade. Acabou por fazer parte do meu top 10 e fiquei contente por também ter passado.


Gostei da música de Israel (o cantor lembrou-me tanto o Måns Zelmerlöw!), da Estónia, da Áustria, da Noruega e da Bulgária. Tenho ouvido dizer que a Bulgária está cada vez mais forte e favorita à vitória, mas sinceramente não adorei a música. Gostei mais dos efeitos e do cenário da actuação e acho que isso é que cativa mais o público. Aliás, desde que o Måns ganhou em 2015 com aqueles efeitos todos que parece que muitos o quiseram copiar. Em alguns casos não resulta bem, mas na música búlgara resultou.
Quanto às restantes, houve uma e outra que também gostei, mas não me cativaram muito.
Ao conhecer os finalistas, fiquei admirada por a Roménia ter passado. A música até nem era má de todo, mas o yodel it da miúda era irritante e não ficava bem! Também não contava com a Croácia na final. A música também não era das piores, mas ficaria melhor se não fosse cantada a duas vozes. No entanto tenho de elogiar o poder vocal do intérprete! Fiquei com pena pela Estónia não passar, pois achei uma música diferente e agradável de ouvir.
E assim já temos a Grand Final completa! Já foi divulgada a ordem das actuações e Portugal vai actuar em 11.° lugar. Podia ter sido em 9.°... Só espero que tudo corra bem (vai correr!) e que consigamos alcançar o nosso melhor resultado e, quem sabe, a vitória! O vídeo do Salvador na semi-final já ultrapassou a fasquia de um milhão de visualizações em dois dias e cada vez mais se tecem elogios à canção, à voz dele, ao carisma e à simpatia que ele tem. Nunca antes fomos tão acarinhados, por isso eu continuo a acreditar que amanhã se vai fazer história!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Música :: 1.ª Semi-final do Eurovision Song Contest 2017

Não me lembro de ansiar tanto pelo início do Festival Eurovisão como desta vez! O Salvador Sobral foi sendo visto cada vez mais como um possível vencedor e isso criou em mim e em todos os portugueses uma grande expectativa. Além disso, estava ansiosa por conhecer as outras canções, já que eu gosto de as ouvir pela primeira vez apenas nas apresentações ao vivo.
Não vou comentar cada actuação, pois isso levaria muito tempo; vou somente partilhar as minhas preferências e comentar os finalistas no geral.
Ontem, a aplicação Eurovision disponibilizou uma nova funcionalidade que permite ao público votar aquando de cada actuação, de 1 a 12, sendo que cada pontuação equivale a uma cor. No fim da actuação e com os valores somados, a cidade de Kiev é iluminada com a cor correspondente, mostrando o apoio dos fãs eurovisivos e dando também uma ideia da pontuação para aquela música. Achei uma ideia muito boa e utilizei a aplicação para fazer o meu top 10, apesar de na altura ainda não ter percebido bem como funcionava a questão das luzes e acabei por não as ver (podemos ver por webcam na app). Adorava ter visto quando actuou o Salvador!...
Passemos então às músicas. Até não fiquei desiludida com as canções escolhidas: pensava que iria ser tudo muito semelhante e isso acabou por não acontecer. Houve variedade, apesar de serem todas em inglês e de algumas serem mais do mesmo... Mas pronto...
Assim, as músicas que adorei foram a de Portugal, da Finlândia e do Azerbaijão, nesta mesma ordem. Não pude mesmo deixar de mencionar a nossa música, pois gosto ainda mais dela cada vez que a volto a ouvir. E ontem o Salvador foi brilhante! No centro da arena, rodeado pelos espectadores, no meio de um mar de pequenas luzes e com um fundo mágico, ele mostrou que a simplicidade também é uma característica eurovisiva e os tiques dele que tanta gente comentou e gozou (até eu!) dão, afinal, um toque muito mais bonito à apresentação e à passagem da mensagem da canção. Vocês viram aquela prestação? O público fez silêncio para ouvir a voz maravilhosa do Salvador, uma voz melodiosa que se ouviu em português! Foi um momento de orgulho arrepiante!


A minha segunda canção favorita foi, sem dúvida, a da Finlândia. Nunca imaginei que fosse uma canção tão calma e angelical. Fez-me lembrar a música norueguesa que ganhou em 1995 (no dia em que eu nasci!). Pela primeira vez, votei numa canção do ESC e foi nesta. Fiquei tristíssima quando vi que não passou à final... Hyvää Suomi, olet sydämessäni!


A música do Azerbaijão espantou-me. Nunca pensei que fosse gostar tanto desta música. Adorei, adorei mesmo!


Quanto às outras, houve algumas que gostei, como a da Albânia, da Arménia, do Chipre e da Austrália. Achei graça à da República Checa por ser um registo diferente e inesperado e também à da Eslovénia. Fiquei mais desiludida com a da Suécia e da Moldávia, pois tornam-se demasiado repetitivas e cansativas. As restantes passaram-me ao lado.
O momento das votações foi hilariante quando chegou à parte de Portugal. Viram as caretas dos manos Sobral? Além de inesperado, foi original e acho que cativou ainda mais as pessoas! O que me ri! Eles são tão genuínos! Caramba, adorava conhecê-los!
Chegou o momento de mais ansiedade: o de saber os resultados. Estava quase certa de que íamos passar, mas mesmo assim custou um bocado, principalmente ao ver alguns países menos merecedores a passar... Felizmente não sofri como em 2008, quando a Vânia Fernandes foi a última a ser anunciada finalista. Foi sofrer até ao fim, mas foi também um momento memorável para todos! Ah, e ontem quando anunciaram Portugal, a reacção do Salvador voltou a ser cómica, do género "Ohh, estou na final, não estava nada à espera!"! Este Salvador é o máximo!
E assim chegámos ao fim da primeira semi-final, já com o nosso lugar reservado na final de Sábado. Sete anos depois quebrou-se o enguiço e conseguimos chegar lá! E será que vai ser desta que vamos ganhar? A música tem tudo para ser vencedora! Como eu gostava que fosse, seria uma prenda de anos tão boa! Sonhar não custa... ☺

terça-feira, 9 de maio de 2017

Livro recebido :: "Factos e Figuras de Fátima - Um Dicionário"

Viva! Hoje quero mostrar-vos um livro que chegou cá a casa recentemente: Factos e Figuras de Fátima - Um Dicionário, de Hugo Guégués. Este livro não poderia ter chegado em melhor altura, pois estamos a poucos dias do tão esperado dia de Nossa Senhora (que, só por acaso, é o dia do meu aniversário) e o livro traz inúmeras curiosidades acerca dos acontecimentos e das pessoas envolvidas ao longo destes 100 anos. Devo dizer que todos nós cá em casa já recorremos a ele várias vezes para ler um ou outro aspecto interessante que ainda nos era desconhecido ou então para descobrirmos mais alguma coisa sobre o assunto.
Este ano foram editados vários livros sobre Fátima, mas quanto a este posso dizer que é um livro muito bem organizado e de fácil acesso.
Já leram algum livro acerca deste tema?

Título: Factos e Figuras de Fátima - Um Dicionário
Autor: Hugo Guégués
Editora: Guerra e Paz
Ano: 2017

Sinopse:
Aqui está Fátima desde o primeiro dia. Da tantas vezes esquecida primeira aparição do anjo, até à vinda, agora, do último peregrino, o Papa Francisco. Todos os factos importantes, todas as figuras, todas as aparições de Nossa Senhora, desde a aparição de Maio de 1917. Todas as palavras da Virgem Maria e dos pastorinhos.
Nesta obra, em forma de dicionário, o autor refere as principais figuras e factos relacionados com as aparições de Fátima, desde 1917 até à actualidade, com a comemoração do centenário deste acontecimento religioso que marcou o século XX em Portugal e no mundo, atraindo cada ano mais de cinco milhões de peregrinos.

domingo, 7 de maio de 2017

Colecção "Ler Faz Bem" da Revista Visão #5

Olá! Já tenho o quinto livro da colecção Ler Faz Bem da Revista Visão. Desta vez é o livro O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald. Por acaso, já tenho cá em casa um exemplar desta obra, mas na sua versão inglesa, e já cheguei a pensar em lê-lo; no entanto, na altura, ainda não tinha muito à-vontade em ler livros noutra língua, por isso acabei por nunca conhecer este livro.
E vocês, já têm o vosso exemplar? Já conhecem a obra?

Já agora, feliz Dia da Mãe!

Título: O Grande Gatsby
Autor: F. Scott Fitzgerald
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Relato pungente do período que se seguiu à I Guerra Mundial, O Grande Gatsby (publicado em 1925) explora a fronteira entre a prosperidade americana e o desencanto face à ascensão do materialismo e a perda de valores morais. Jay Gatsby é um rapaz pobre de origem rural que se apaixona por Daisy Buchanan. Depois de servir fora do país, Gatsby regressa para encontrar Daisy casada com um milionário. Assim é espoletada, neste self-made man, a ambição de enriquecer, para atrair de novo Daisy à sua convivência. A obra-prima de F. Scott Fitzgerald retrata a idade do jazz em todo o seu esplendor e decadência, naquele que é considerado um dos grandes romances do século XX.