terça-feira, 17 de julho de 2018

Livro recebido :: "A Carruagem dos Órfãos"

Olá! Quero mostrar-vos o mais recente livro adicionado à minha colecção: A Carruagem dos Órfãos, de Pam Jenoff. É um livro que aborda a Segunda Guerra Mundial, tema que me suscita sempre muito interesse e sobre o qual gosto sempre de ler. Assim, obviamente, estou curiosíssima por conhecer esta história!

Título: A Carruagem dos Órfãos
Autora: Pam Jenoff
Editora: Editorial Presença
Ano: 2018

Sinopse:
Noa, de 16 anos, fica grávida de um soldado do exército nazi e é forçada a desistir do seu bebé recém-nascido. Vive no piso superior de uma pequena estação ferroviária, a troco de limpezas... Quando descobre dezenas de crianças judias amontoadas num vagão cujo destino é um campo de concentração, ela não consegue deixar de pensar no filho que lhe foi retirado. E, num momento que mudará a sua vida para sempre, agarra numa das crianças e foge com ela pela noite fora sob um forte nevão.
Acaba por encontrar refúgio num circo alemão, mas vai ter de aprender números de trapézio para poder passar despercebida, não obstante o azedume de Astrid, a trapezista principal. A princípio rivais, Noa e Astrid em breve criam poderosos laços de afecto entre si. Mas como a fachada que as protege se torna cada vez mais ténue, elas têm de decidir se a amizade entre ambas é suficiente para se salvarem uma à outra - ou se os segredos que guardam deitarão tudo por terra.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

Opinião :: Justine | Marquês de Sade

Título: Justine
Autor: Marquês de Sade
Editora: Impresa Publishing
Ano: 2009 (originalmente publicado em 1791)

Sinopse:
Este livro acompanhou toda a vida do Marquês de Sade, tendo sido reescrito ao longo dos anos, em várias versões - inicialmente anónimas, mas que, entre outros «crimes», conduziram o autor à prisão, em 1801, por ordem de Napoleão Bonaparte. Justine - personagem emblemática desta figura da aristocracia, que se celebrizou por escândalos sucessivos e pela sua vida depravada - é uma jovem aparentemente virtuosa que vai relatando, com os mais explícitos pormenores, uma vida de orgias, abusos, violações e «sadismos» vários...

Opinião:
Esta obra é um clássico da escrita francesa do século XVIII, que tive oportunidade de ler e da qual criei uma certa imagem que não correspondeu propriamente ao seu conteúdo.
Nesta história, conhecemos duas jovens irmãs, Juliette e Justine, que viviam bem mas, perante umas reviravoltas da vida, acabam por seguir caminhos separados. Ambas são física e psicologicamente distintas e fazem igualmente escolhas diferentes ao longo da vida; enquanto que Juliette é mais astuta e perspicaz e consegue chegar a um bom estatuto, ainda que por vezes tivesse sido moralmente incorrecta, já Justine é mais ingénua, sensível e de boa-fé, sendo mais devota a Deus e desejando fazer o bem, só que a sua alma caridosa não a salvou de uma vida cheia de agruras.
O livro trata-se então do relato de todo o percurso das duas irmãs, mas com destaque para o de Justine; sob o nome de Sophie, ela conta detalhadamente as violações que sofreu, maioritariamente nas mãos do clero, bem como os abusos de todas as pessoas que se lhe cruzaram pelo caminho. Apesar de tudo, nunca deixou de ser bondosa e questionou constantemente o porquê de tamanha injustiça: por que razão aqueles que eram maldosos e que cometiam crimes singravam na vida e abusavam das boas pessoas, enquanto que estas se viam obrigadas a submeter-se às suas ordens e acabavam na miséria?
Toda a narrativa se centra nesta questão filosófica e moral; pode ter sido escrita há séculos e retratar certos costumes de então, mas acho que  é transversal a qualquer época - não fossem todas as injustiças que vemos diariamente em todo o mundo...
No aspecto de reflexão que nos permite fazer, a história é excelente, mas não posso deixar passar a repugnância que senti nas descrições mais agressivas. Toda a gente sabe que há pessoas capazes de fazer qualquer coisa por maldade, mas estamos sempre a descobrir actos cometidos que até custam a acreditar - e não é só de agora... Muitas vezes, aqueles que deviam ser nossos protectores são os primeiros a rebaixar-nos... Mas fico-me por aqui, pois daria para escrever uma tese a esmiuçar este livro.
Não aconselho esta leitura a pessoas mais sensíveis, mas penso que é um clássico que não deve ser deixado de lado, pois no final guarda uma mensagem importante a ter em conta.

domingo, 8 de julho de 2018

Livro recebido :: "A Escolhida"

Boa tarde! Este livro já faz parte da minha estante! Chama-se A Escolhida e é de J.R. Ward. A história faz parte da saga da Irmandade da Adaga Negra e é considerada ficção fantástica, género que ainda estou a descobrir mas a começar a gostar aos poucos. E sendo um romance quente, bem, já poderá subir uns pontos na minha consideração!
Já leram este ou outro livro da mesma saga?

Título: A Escolhida
Autora: J.R. Ward
Editora: Casa das Letras
Ano: 2018

Sinopse:
Xcor, líder do Bando de Bastardos, condenado por traição contra o Rei Cego, arrisca-se a enfrentar um interrogatório brutal e uma morte angustiante às mãos da Irmandade da Adaga Negra. Mas depois de uma vida marcada pela crueldade e pelos atos maléficos, ele aceita o destino que o mister de guerreiro lhe trouxe.
Lamenta apenas a perda da fêmea sagrada que nunca foi sua: a Escolhida Layla. Só Layla está na posse da verdade que poderá salvar a vida de Xcor. Mas a revelação do sacrifício e da ascendência oculta do macho irá expô-los a ambos e destruir tudo o que Layla mais estima - incluindo o papel de mãe dos seus gémeos adorados. Dividida entre o amor e a lealdade, ela terá de ganhar coragem para enfrentar a única família que tem para defender o único homem que alguma vez amará. Todavia, mesmo que Xcor consiga o perdão, ele e Layla terão de enfrentar um desafio ainda maior: ultrapassar o fosso que separa os seus mundos, sem com isso abrir caminho para um futuro com ainda mais guerra, sofrimento e morte.
A par do regresso a Caldwell de um antigo inimigo e da revelação da identidade de uma nova deidade, nada é seguro ou garantido no mundo da Irmandade da Adaga Negra, nem sequer o verdadeiro amor... ou os destinos que pareciam há muito decididos.

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Opinião :: A Livraria dos Finais Felizes | Katarina Bivald

Título: A Livraria dos Finais Felizes
Autora: Katarina Bivald
Editora: Suma de Letras
Ano: 2016

Sinopse:
Se a vida fosse um romance, o de Sara certamente não seria um livro de aventuras. Em vinte e oito anos, nunca saiu da Suécia e jamais o destino perturbou a sua existência. Tímida e insegura, só se sente à vontade na companhia de um bom livro e os seus melhores amigos são as personagens criadas pela imaginação dos escritores, que a fazem viver sonhos, viagens e paixões.
Tudo muda no dia em que recebe uma carta vinda de Broken Wheel, uma pequena cidade perdida no meio do Iowa. A remetente é Amy, uma americana de sessenta e cinco anos que lhe envia um livro. E assim começa entre ambas uma troca de correspondência afectuosa e sincera. Depois de uma intensa partilha de cartas e livros, Sara consegue, finalmente, a quantia necessária para atravessar o oceano e encontrar a sua querida amiga. No entanto, Amy não está à sua espera. O fim da sua vida chegou mais cedo do que se esperava. Enquanto os excêntricos habitantes da cidade, de quem Amy tanto lhe falou, tomam conta da assustada turista (a primeira na história de Broken Wheel), Sara decide retribuir a gentileza iniciando-os no desconhecido prazer da leitura. Porque depressa percebe que Broken Wheel precisa desesperadamente de um pouco de aventura, uma dose de auto-ajuda e também de um pouco de romance. Em suma, esta é uma cidade que precisa de uma livraria.
E é naquele lugar com pouca alma mas com um grande coração que Sara, que sempre preferiu os livros às pessoas, encontrará amizade, amor e emoção: será, finalmente, a verdadeira protagonista da sua vida.

Opinião:
Parti para esta leitura com muita curiosidade, devido à sinopse, mas com receio de uma desilusão, pois li alguns comentários sobre a obra que não foram tão positivos.
No livro, encontrei a jovem Sara, que rumou aos EUA naquela que foi a sua grande aventura de vida. Na cidade de Broken Wheel, ela esperava conhecer a sua amiga Amy, com quem privara por correspondência, mas por azar Amy morrera pouco antes de ela lá chegar. Foi esse o aspecto que mais me despertou para esta leitura; o que se faz quando se sai da zona de conforto, atravessa-se o oceano para conhecer uma pessoa e essa pessoa não está lá? O que acontece depois?
Nas quase 500 páginas do livro, a autora divulga as cartas de Amy para Sara e conta toda a aventura desta última. Como Broken Wheel tem poucos habitantes, todos eles se conhecem e estavam à espera da turista da Suécia, a amiga de Amy. Também por isso, aos poucos fui conhecendo cada um deles, bem como as suas situações de vida.
As pessoas de Broken Wheel receberam Sara de braços abertos e esta incute em cada um o gosto e a magia dos livros. Assim, posso dizer que Sara e os seus livros mudaram a vida daquela cidade, bem como a dela acabou por mudar.
No final, gostei mais da história do que imaginara, pois houve sempre algo a descobrir e foi muito giro acompanhar esta aventura, além de que houve algum romance - e isso eu adoro!
De referir que o livro está repleto de referências a autores e às suas obras, não fossem os livros quase os protagonistas da história! Infelizmente, encontrei algumas gralhas e palavras mal empregues (ainda pior do que erros ortográficos), no entanto não foram frequentes.
Em suma, gostei muito do livro. E a capa do livro assenta perfeitamente na história! 😉

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Livro recebido :: "Sorrisos Quebrados"

Olá a todos! Estou muito empolgada para ler este livro intitulado Sorrisos Quebrados, de Sofia Silva. Já ouvi falar muito dele e já li as mais variadas apreciações, mas sendo um livro de uma autora portuguesa já reconhecida no Brasil fico com ainda mais vontade de ler!
E vocês já leram? O que têm a dizer?

Título: Sorrisos Quebrados
Autora: Sofia Silva
Editora: Editorial Presença
Ano: 2018

Sinopse:
Paola está num momento-chave da sua vida. Vai ter de decidir se quer continuar a viver ou se vai deixar-se morrer às mãos do homem por quem um dia se apaixonou e com quem veio a casar. Como foi possível que aquele homem poderoso e deslumbrante se tornasse no monstro que a está a destruir? Mas Paola decide viver. E, no mais improvável dos lugares, vai encontrar de novo a luz e descobrir que, afinal, é possível amar outra vez.Sorrisos Quebrados marca a estreia de Sofia Silva na escrita de ficção. Um romance sobre violência doméstica, abuso sexual e as segundas oportunidades que a vida por vezes reserva.

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Opinião :: O Cão da Morte | Agatha Christie

Título: O Cão da Morte
Autora: Agatha Christie
Editora: RBA Coleccionables
Ano: 2008 (1.ª edição de 1933)

Sinopse:
Este livro reúne doze casos, aparentemente inexplicáveis, cuja resolução requer o génio «sobrenatural» de Agatha Christie. Uma marca de pólvora com a forma de um cão, uma casa assombrada, uma reunião aterradora, um caso de dupla personalidade, um pesadelo recorrente, uma amnésia súbita, uma levitação, um pedido de socorro...

Opinião:
Neste livro, encontrei uma colectânea de doze pequenas histórias de acontecimentos misteriosos, relacionados maioritariamente com crimes e assombrações.
Devo ser sincera: li quase todas as histórias com uma incómoda sensação de calafrios, pois eu sou uma medricas no que toca a espíritos e casas assombradas! Mas, como envolve muito mistério, não resisti e fui lendo (é o chamado não quero ver, mas vou ver!).
Na verdade, os finais não foram assim tão assustadores como imaginara; alguns traziam até uma moral a retirar. Outros contos davam a ideia de continuar em suspense, contudo tenho de destacar um deles, que inicialmente me assustou um bocadinho, mas terminei-o a dar umas belas gargalhadas!
Foi um bom livro, que li bastante rápido, mas podia muito bem ler um conto por dia. Só que a curiosidade não me deixou esperar! 😉

terça-feira, 26 de junho de 2018

Opinião :: Matar é Fácil | Agatha Christie

Título: Matar é Fácil
Autora: Agatha Christie
Editora: RBA Coleccionables
Ano: 2008 (1.ª edição de 1939)

Sinopse:
Luke Fitzwilliam, um jovem ex-polícia, conhece no comboio Miss Lavinia Pinkerton. A velhinha conta-lhe que as mortes na pacata aldeia onde vive se devem a um assassino em série e que conhece a identidade da próxima vítima: Dr. Humbleby, o médico local. Horas depois, Miss Pinkerton morre atropelada. É coincidência? Alarmado, finge que é um escritor que pesquisa para escrever um romance e assim poder investigar mais livremente.

Opinião:
No meio da colecção de livros de Agatha Christie da minha irmã, peguei neste completamente ao calhas. Já há algum tempo que queria ler estas obras e finalmente chegou a altura! Apetecia-me ler a história de um crime; já tinha saudades...
Este mistério que o ex-polícia Luke Fitzwilliam decide desvendar prendeu-me por completo durante três dias! Não descansei enquanto não descobri o verdadeiro assassino. Adorei toda a história e as ligações existentes entre as várias mortes, bem como o caminho que se levou até à descoberta do mistério. O suspense manteve-se até ao fim!


Há uns bons anos, cheguei a ver alguns filmes de Poirot (personagem tão marcante desta autora) e gostei, apesar de não ter dado o devido valor na altura. Gostei principalmente da época em que decorria (inícios do século XX). Ao ler agora esta obra, fui imaginando os cenários da época e isso foi do que mais me agradou!
Apesar de tudo, houve duas coisas que menos gostei: da sensação que tive de que a história estava abreviada e decorria muito rápido e de ver algumas gralhas que me incomodaram um bocado (sendo um livro de colecção, torna-o imperfeito...). Ainda assim, são pequenos pormenores que se tornam quase irrelevantes.
Em suma, adorei o livro e sei que vou devorar mais uns quantos da colecção em breve!