segunda-feira, 26 de outubro de 2020

Resultado Passatempo :: Desapego #1

Viva! Terminado o prazo para concorrerem para o livro A Escolhida, de J. R. Ward, chegou a hora de divulgar o/a vencedor(a) do passatempo.

Foram 10 os participantes e o Random decidiu que seria sorteado o número...

... que corresponde ao comentário de...


 

Parabéns, Encarnação! Para que lhe possa enviar o livro, peço-lhe que me envie um email para momentosliterariosml@gmail.com ou mensagem privada para o Facebook do blogue.

Agradeço a todos os participantes e espero que continuem por aí, pois haverá mais passatempos brevemente!


sábado, 17 de outubro de 2020

Opinião :: Tríptico | Karin Slaughter

Título: Tríptico
Autora: Karin Slaughter
Editora: Topseller
Ano: 2013

Comprar: Bertrand | WOOK

Sinopse:
Quando Michael Ormewood, detetive da Polícia de Atlanta, é chamado à cena de um homicídio num bairro social, depara-se com uma das mortes mais brutais de toda a sua carreira: o corpo de Aleesha Monroe jaz nas escadas de um prédio, numa poça formada pelo seu próprio sangue e horrivelmente mutilado.
Enquanto incidente isolado, este já seria um crime chocante. Mas quando se torna evidente que é apenas o mais recente de uma série de ataques violentos, o Georgia Bureau of Investigation é chamado a intervir, e Michael vê-se obrigado a trabalhar com o agente especial Will Trent, com quem antipatiza de imediato.
Vinte e quatro horas mais tarde, a violência a que Michael assiste todos os dias explode nas traseiras da sua própria casa. Percebe-se então que talvez o mistério da morte de Aleesha Monroe esteja indissoluvelmente ligado a um passado que se recusa a ficar esquecido...

Opinião:
Este é o segundo livro que leio de Karin Slaughter. Do primeiro livro, ficaram marcadas a forma explícita de a autora relatar os crimes e o desenvolvimento da história, e também a linguagem forte, com algum calão e palavrões.

O título Tríptico é uma analogia perfeita ao assunto do livro, estando este ser dividido em três partes.

De início, deparamo-nos com um crime macabro: o assassínio de uma prostituta, violada e mutilada, cujo pormenor mais relevante é o de a sua língua ter sido arrancada. Este crime relaciona-se com outros ataques violentos, de contornos semelhantes, principalmente com um crime que aconteceu cerca de vinte anos antes.

Na segunda parte, conhecemos John Shelley, recentemente libertado de uma condenação de vinte anos por ter violado e assassinado a jovem Mary Alice, nos anos 80. Nesta parte, acompanhamos também a (tentativa de) adaptação à sua nova vida de liberdade, recordando cruelmente as suas vivências na prisão.

A terceira parte, que abrange a maior parte do livro, é onde podemos seguir as investigações por parte de Michael Ormewood, Will Trent e Angie Polaski, além de que conhecemos melhor cada um deles e começamos a perceber as ligações que existem entre as personagens.

Demorei demasiado tempo a ler este livro. De início, não me apercebi do impacto que esta história iria ter sobre mim, por isso não lhe prestei a devida atenção. Arrastei demasiado a leitura no início e no final senti a necessidade de o devorar! O criminoso é precocemente desvendado, mas tal não estragou o suspense, pois assim quis ver como é que os investigadores iriam descobrir! 🔎

As personagens são todas diferentes umas das outras, cada uma com a sua história de vida, problemas e obrigações. Mas adorei conhecer o que as ligava e o que as fazia amar-se ou odiar-se.

O que mais me marcou na história foi o facto de haver a possibilidade de alguém ser culpado de algo tão grave que o leva a passar a maior parte da sua vida na prisão, a sofrer todos os dias mental e fisicamente, e conseguir aguentar. Como é que se refaz uma vida perdida? Além disso, marcou-me também a narrativa macabra dos crimes que o verdadeiro culpado realizou, que me deixou angustiada e a desejar que aquilo parasse...

O livro vale realmente a pena ser lido! É viciante! 😉

quarta-feira, 14 de outubro de 2020

Livro recebido :: "O quarto de Giovanni"

Título: O Quarto de Giovanni
Autor: James Baldwin
Editora: Alfaguara
Ano: 2020

Comprar: Bertrand | WOOK

Sinopse:
David, um jovem nova-iorquino, vive ao sabor dos dias em Paris, cidade onde procura tomas rédeas da vida enquanto a noiva passa uma temporada em Espanha. Numa noite de farra num bar clandestino, David conhece Giovanni, um barman italiano, luminoso, sedutor, impertinente, e sente-se irremediavelmente atraído. Os dois homens entregam-se a uma relação intensa, confinada ao quarto de Giovanni, com a nuvem do retorno iminente de Hella a pairar sobre os amantes.
Um postal anuncia o inevitável: a noiva estará de volta a Paris. O regresso exige que David escolha entre a normalidade de uma vida segura com Hella e a incerteza de um futuro ao lado de Giovanni, todo ele coração, força e instinto. A decisão do americano culminará numa tragédia inimaginável.

Impregnada de paixão, arrependimento e desejo, esta é a história de um trágico triângulo amoroso. E uma obra de culto merecido, que questiona a identidade de vários ângulos. Ao publicá-la em 1956, Baldwin quebrou mais do que um tabu: era um escritor negro a escrever sobre o amor entre dois homens brancos. O seu editor aconselhou-o a queimar o manuscrito, mas volvido este tempo O quarto de Giovanni é uma das obras mais célebres de Baldwin.

segunda-feira, 12 de outubro de 2020

Opinião :: Regresso a Casa | José Luís Peixoto

Título: Regresso a Casa
Autor: José Luís Peixoto
Editora: Quetzal
Ano: 2020

Comprar: Bertrand | WOOK

Sinopse:
Intimidade, confissões, família, memória e pacificação: assim é o novo livro de poemas de José Luís Peixoto.

O novo livro de José Luís Peixoto fala-nos das quatro paredes de uma casa - e de todas as suas recordações em tempo de pandemia. Evoca a solidão, o isolamento, as portas fechadas, mas também a solidariedade das recordações: a mãe, o pai, os aromas, a família, a aldeia, o amor. Há espaço para a recordação da infância como para a peregrinação pelo mundo inteiro, como um Ulisses em viagem perpétua, rodeado de objetos próximos e voltado para dentro, para o lugar onde se regressa sempre: a casa.
 
Opinião:
Mal este livro chegou a minha casa, não resisti sem o ler. Apesar de não ser grande fã de poesia, houve qualquer coisa que me chamou a atenção para este livro. Talvez por ser o primeiro livro que leio de José Luís Peixoto, a curiosidade foi maior e li-o com avidez.

A obra é pequena (pouco mais de 100 páginas) e nela encontramos poemas escritos durante a quarentena, que todos vivemos este ano, repletos de memórias sobre a família, sentimentos e as suas viagens pela Ásia.

Um dos poemas de que mais gostei.
 
Rendi-me à escrita de José Luís Peixoto. Os poemas não rimam, mas captam a atenção do leitor e obrigam-no a parar para sentir o que está a ler. Dei por mim a viajar pelos lugares asiáticos que ele visitou, bem como a reviver certas coisas da quarentena, quando estávamos aprisionados e extremamente ansiosos por sair de casa.

Regresso a Casa é o título ideal para esta obra. Numa altura em que a casa é, mais do que nunca, um lugar de conforto e de protecção, a verdade é que, como escreve o autor, «um nómada de quarentena nunca pára de viajar». E qual é realmente a nossa casa? São aquelas paredes que nos abrigam ou o lugar que consideramos como lar?

Este é um livro que se lê muito bem, mas convém absorver todas as palavras escritas. É um livro para reflectir e deixar-se levar. Simplesmente adorei.

Tenho de ler outros livros do autor.