sábado, 10 de novembro de 2018

Opinião :: A Escolhida | J.R. Ward

Título: A Escolhida
Autora: J.R. Ward
Editora: Casa das Letras
Ano: 2018

Sinopse:
Xcor, líder do Bando de Bastardos, condenado por traição contra o Rei Cego, arrisca-se a enfrentar um interrogatório brutal e uma morte angustiante às mãos da Irmandade da Adaga Negra. Mas depois de uma vida marcada pela crueldade e pelos atos maléficos, ele aceita o destino que o mister de guerreiro lhe trouxe.
Lamenta apenas a perda da fêmea sagrada que nunca foi sua: a Escolhida Layla. Só Layla está na posse da verdade que poderá salvar a vida de Xcor. Mas a revelação do sacrifício e da ascendência oculta do macho irá expô-los a ambos e destruir tudo o que Layla mais estima - incluindo o papel de mãe dos seus gémeos adorados. Dividida entre o amor e a lealdade, ela terá de ganhar coragem para enfrentar a única família que tem para defender o único homem que alguma vez amará. Todavia, mesmo que Xcor consiga o perdão, ele e Layla terão de enfrentar um desafio ainda maior: ultrapassar o fosso que separa os seus mundos, sem com isso abrir caminho para um futuro com ainda mais guerra, sofrimento e morte.
A par do regresso a Caldwell de um antigo inimigo e da revelação da identidade de uma nova deidade, nada é seguro ou garantido no mundo da Irmandade da Adaga Negra, nem sequer o verdadeiro amor... ou os destinos que pareciam há muito decididos.

Opinião:
Infelizmente, este livro não me agradou. Talvez por não conhecer a saga desde o início, ou por simplesmente não gostar de histórias vampirescas, o certo é que demorei muito tempo a ler o livro (fiz questão de terminar) e a maior parte das vezes não conseguia focar-me na história. Por coincidência, a Sandra Sousa do blogue Mil Estrelas no Colo publicou uma opinião no YouTube a falar sobre o livro quando eu ainda ia na parte inicial e a sua explicação fez-me perceber melhor o enredo e alguns elementos de livros anteriores, pelo que até me facilitou a leitura. Ainda assim, não morri de amores pela história nem pelas personagens, mesmo tendo gostado um pouco mais da parte final.
Quando comecei a ler, não esperava uma linguagem tão grosseira (tem muitos palavrões); a história tem também muitos conflitos e algumas cenas de sexo explícito.
Sei que conheci a saga com o último livro e não o primeiro, mas às vezes os volumes posteriores têm ligações aos anteriores que facilitam a compreensão; este tinha algumas, no entanto não resultaram comigo.
Para quem é fã deste género fantástico, vampiresco e erótico, encontra uma numerosa saga de livros, mas o ideal mesmo é começar do início! 😉

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

Livro recebido :: "Carta a Dina"

Olá! Recentemente, recebi um novo livro: Carta a Dina, de Grazia Verasani. Trata-se de um romance decorrido em Itália e, sendo um livro com relativas poucas páginas, creio que será de leitura rápida.
Pela sinopse, consegui ficar bem interessada na história.
Já leram este livro? O que acharam?

Título: Carta a Dina
Autora: Grazia Verasani
Editora: IN
Ano: 2018

Sinopse:
Numa manhã de 1973, Dina entra pela primeira vez na sala de aula. Doze anos, loira, excesso de peso, roupas caras. Volta-se para a sua nova companheira e diz «Eu sou fascista». A outra responde: «Eu sou comunista».
Nesse momento nasce entre as duas uma amizade esmagadora, feita de subterfúgios, juramentos, conversas, brigas, reconciliações apaixonadas. Dois mundos diferentes, duas famílias opostas, uma de origem operária, a outra, a de Dina, definitivamente burguesa. As duas raparigas, amigas inseparáveis, deambulam por uma Bolonha animada pelas primeiras lutas estudantis.
Trinta e sete anos depois, enquanto estacionava o carro, a protagonista desta história ouve na rádio a música que ela e Dina ouviam até à exaustão num 45 rotações.
E de repente, Dina regressa, viva. Onde está a adolescente rebelde em oposição permanente contra uma mãe fria e sedutora? Qual foi o momento exato do fim? E porquê aquela tentação irresistível de andar com os olhos fechados à beira de um precipício?

quarta-feira, 17 de outubro de 2018

Opinião :: Morte no Nilo | Agatha Christie

Título: Morte no Nilo
Autora: Agatha Christie
Editora: RBA Coleccionables
Ano: 2008 (1. ª edição de 1937)

Sinopse:
Linnet Ridgeway é uma jovem que tem tudo: beleza, riqueza, amor... e um cruzeiro pelo Nilo para gozar a sia lua-de-mel. Mas aparece misteriosamente assassinada no seu camarote.

Opinião:
Creio que esta é das mais conhecidas obras de Agatha Christie e considerada uma das melhores; foi também por isso que quis ler este livro antes de muitos outros.
O livro começa com um prefácio da autora onde explica as circunstâncias em que o escreveu e a sua opinião sobre a história e as personagens principais.
De facto, a história centra-se em três personagens: Linnet Ridgeway, uma bela jovem de vinte anos e dona de uma grande fortuna; Jacqueline de Bellefort, a melhor amiga de Linnet que surge a pedir-lhe um grande favor para ajudar o seu amado e prometido marido Simon Doyle, a terceira personagem. Contudo, quando Simon se encontra com Linnet, eles apaixonam-se e acabam por casar. Decidem ir de lua-de-mel para o Egipto e assustam-se ao ver que Jacqueline os seguiu. Quem também lá está é Hercule Poirot e, mais tarde, ele e o seu amigo Coronel Race acabam por investigar a morte de Linnet. Tudo aponta para Jacqueline ser a assassina, mas mais mortes surgiram... Será que foi mesmo?
Neste meu resumo, dá para perceber que a história é complexa e muito misteriosa, e o livro está repleto de pormenores que nos fazem mesmo estar no barco no Nilo a assistir a tudo! E a autora engendrou tão bem a história que parece real.
Ao longo do livro, as suspeitas vão recaindo sobre várias pessoas, mas admito que consegui adivinhar o verdadeiro culpado... Só não sabia como! E no fim achei espectacular a forma como foi pensado o crime.
O final da história foi trágico, e foi o previsível fim que poderia ter.
Até agora, este foi o melhor livro que li de Agatha Christie. Para quem já leu este e outros tantos, é bem capaz de concordar comigo; que ainda não leu e adora policiais, então tem mesmo de ler!

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Opinião :: Uma Mulher em Fuga | Lesley Pearse

Título: Uma Mulher em Fuga
Autora: Lesley Pearse
Editora: Edições ASA
Ano: 2017

Sinopse:
Sob o olhar negligente do pai, Rosie definha na quinta onde vive. Sujeita aos maus-tratos dos meios-irmãos, Seth e Norman, e sem uma mãe para a proteger (há muito que desapareceu), a sua vida é dura e solitária. Mas no dia em que chega a governanta, Heather Farley, tudo parece mudar. Heather depressa se torna uma amiga… e até uma mãe…
Mas a alegria revela-se passageira, pois Heather desaparece misteriosamente, deixando para trás o filho, Alan, e frustrando todas as esperanças de Rosie num futuro melhor. Mas só quando o irmão de Heather, Thomas, aparece na quinta é que Rosie descobre a terrível verdade sobre a sua própria família… e finalmente ganha coragem para fugir. Mas o mundo que a espera lá fora, infelizmente, não é menos cruel. De Bristol ao Sussex, do Sussex a Londres - Rosie tudo faz para dar um novo rumo à sua vida. Mas será ela capaz de escapar à fúria vingativa de Seth?
Lesley Pearse, autora tão querida dos leitores portugueses, volta a encantar-nos com esta história dilacerante sobre a família e os segredos medonhos que pode esconder…

Opinião:
Já tinha saudades de uma boa história de Lesley Pearse; tinha este livro para ler há uns meses e finalmente peguei nele. Em boa hora o fiz!
A protagonista é Rosie, que conhecemos quando ela é ainda uma pequena criança mas já sujeita a uma vida muito dura. Porém, desde cedo que Rosie passa por muitas mudanças e tentativas de uma vida melhor, mas mesmo quando tudo parece encaminhar-se para o melhor, logo passa por mais provações.
Adorei conhecer Rosie e toda a sua história. Ela viveu sempre rodeada de pessoas maldosas e injustas mas ainda assim conseguiu ultrapassar tudo o que a deitava abaixo. Todo o seu destino foi inesperado para mim e não me desiludiu.
O enredo trouxe-me romance mas também muito suspense, pois abordou alguns crimes e assassínios macabros que me mantiveram ainda mais agarrada ao livro. Gostei também de ir lendo episódios reais que ocorreram na época, nomeadamente os da Segunda Guerra Mundial e das mudanças na sociedade.
O livro é grande (650 páginas) mas foi completamente viciante, ainda que no início a história parecesse nunca mais sair do sítio; quero dizer, logo imaginei que viria uma mudança radical na história, só que a altura nunca mais chegava! Mas não foi um aspecto negativo.
Além da história espectacular, esta edição traz um excerto do livro Duas Mulheres Dois Destinos que já li e opinei aqui.
Foi um dos melhores livros que li da autora!

sábado, 6 de outubro de 2018

Aquisições :: "O Novo Diário de Bridget Jones" e "As Visões de Simão"

Olá! Hoje fui à Vandoma, no Porto, e adquiri dois livros em segunda mão pela módica quantia de 3€! São eles "O Novo Diário de Bridget Jones", de Helen Fielding, e "As Visões de Simão", de Marianne Fredriksson.
A feira é uma autêntica tentação e vi imensos livros interessantes que gostaria de ter comprado, mas trouxe apenas estes porque foram os que me chamaram mais a atenção.
Já leram algum destes livros?

Título: O Novo Diário de Bridget Jones
Autora: Helen Fielding
Editora: Editorial Presença
Ano: 2000

Sinopse:
Bridget Jones, ainda na casa dos trinta, ainda solteira, ainda em busca do auto-aperfeiçoamento físico e espiritual. Tão encantadora e insensata como sempre, continua a ser uma fumadora ávida e a recorrer ao Chardonnay nos momentos em que os seus acessos de arrebatado optimismo dão lugar às inevitáveis recessões de desencanto. Mark Darcy é, aparentemente, o homem perfeito; mas Bridget não tem ainda a certeza de ser esta a «relação funcional com adulto responsável» que tanto deseja estabelecer. As constantes atribulações deste romance mantêm-na imersa nas agonias de uma solteirona - «Porquê? Porquê? PORQUÊ?».
O regresso muito aguardado desta anti-heroína, que encarna corajosamente os desejos e as ansiedades de muitas mulheres envolvidas no universo das relações amorosas neste fim de século. O mesmo olhar arguto, irónico e terno; o mesmo humor inspirado que fez de O Diário de Bridget Jones um sucesso à escala planetária. Helen Fielding mantém-se, indubitavelmente, à altura de todas as expectativas que criou nos leitores da sua primeira obra.

Título: As Visões de Simão
Autora: Marianne Fredriksson
Editora: Editorial Presença
Ano: 1999

Sinopse:
Entre as neblinas que se erguem do mar e as névoas que velam as silhuetas dos carvalhos, ao fundo do prado, um rapazinho moreno fala com as personagens de um mundo que para ele são reais. Respondem-lhe. Ele reencontrá-las-á muitos anos mais tarde e esse encontro será decisivo na sua vida. O romance passa-se na Suécia entre os anos 20 e 60 e este menino virá a descobrir que foi adoptado por aqueles a quem chama pai e mãe. Na escola, um dia, chamar-lhe-ão «porco judeu» e encontrará um outro menino, Isak, que fora torturado por um grupo de jovens nazis, na Alemanha. Crescerão juntos. O pai de Isak, Ruben, será também um pouco o seu pai. Depois a sombra negra desaparecerá, mas deixará marcas indeléveis nos jovens, então nessa idade tão cheia de perigos de passagem para a adultícia. Simão partirá ao encontro do fascinante mistério das suas origens, na orla dos bosques escandinavos onde a realidade se confunde com a lenda, e saberá que foi gerado pelo amor feito música.

domingo, 30 de setembro de 2018

Opinião :: A Metamorfose | Franz Kafka

Título: A Metamorfose
Autor: Franz Kafka
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Franz Kafka (Praga, 1883-Viena, 1924), escritor checo de língua alemã, é um dos romancistas mais perturbantes do século XX e um dos que mais influenciaram toda a literatura moderna. Os seus livros retratam-nos a sensação de claustrofobia e impotência do homem moderno perante a realidade absurda e labiríntica que o envolve e as forças exteriores que escapam ao seu controlo.
De entre os seus livros destacam-se Carta ao Pai (1910), O Processo (1925), O Castelo (1926) e este A Metamorfose (1915), obra extraordinária, que nos conta a história de Gregor Samsa, um caixeiro-viajante que suportava financeiramente a sua família e que certa manhã se viu transformado num insecto. Impossibilitado de ir para o trabalho e incapaz de comunicar com os seus familiares, Gregor Samsa vai tornando-se um peso insuportável para estes e sendo relegado para uma situação de marginalização. Narrativa simbólica, A Metamorfose reflecte sobre a angústia individual, a solidão e a desesperança humana.

Opinião:
Li esta obra em poucas horas, num dia em que passei algum tempo em viagem. A sinopse faz um sucinto resumo do que trata a história, pelo que não vejo necessidade em resumir à minha maneira.
A minha leitura foi breve mas compenetrada, sendo que achei curiosidade em saber como aconteceu esta estranha metamorfose. Senti uma grande inquietação ao perceber a impotência de Gregor Samsa vendo-se preso noutro corpo e na incapacidade de seguir com a sua vida normal, além da perda que teve da ligação familiar.
Este livro lê-se bem e a escrita é leve e acessível; porém, o sentimento de angústia e desespero é o que mais prevalece, e isso pode ser um pouco desconfortável. Ainda assim, a história passa boas mensagens morais, como por exemplo a valorização da nossa vida, do corpo e das relações que temos com as pessoas, pois não sabemos como será o amanhã... Mas espero não me transformar num insecto como Gregor! 😂

sábado, 22 de setembro de 2018

Opinião :: O Misterioso Caso de Styles | Agatha Christie

Título: O Misterioso Caso de Styles
Autora: Agatha Christie
Editora: RBA Coleccionables
Ano: 2008 (1. ª edição de 1920)

Sinopse:
Uma viúva rica, Emily Inglethorp, casou com um homem vinte anos mais novo. A família pensa que ele apenas quer dar o golpe do baú... Uma noite, a velha senhora morre depois de terríveis convulsões e demonstra-se que foi envenenada com estricnina. Mas... por quem?
Um misterioso testamento destruído, os cacos de uma chávena de café, uma mancha de cera e um canteiro recém.plantado com begónias... A isto se resumem os indícios, na realidade muito pouco para outro que não o genial detective belga Hercule Poirot.

Opinião:
Mais uma excelente obra de Agatha Christie, desta vez com o único Hercule Poirot! A história foi contada pelo seu amigo Hastings, que esteve hospedado em Styles aquando do crime. Foi por mero acaso que Hastings encontrou Poirot nas redondezas e, assim, acabaram por investigar o caso.
Segui o mistério com muita curiosidade e fui igualmente tentando tirar as minhas conclusões, se bem que foi muito difícil! Achei interessante o facto de irem aparecendo esboços e reproduções de várias pistas ao longo do livro, pelo que ajudou a entender certas explicações e também a ganhar vontade de descobrir tudo.


Gostei de conhecer as personagens, mas gostei ainda mais de conhecer o ambiente onde tudo decorreu e de imaginar o casarão antigo, os jardins arranjados, as decorações e o estilo inglês. Admito que estou cada vez mais fã dos costumes dos inícios do século XX!
Poirot foi, sem dúvida, a personagem mais cativante e que mais vida deu à narrativa, pela sua peculiaridade e rapidez em deslindar o caso.
Foi mais uma óptima leitura graças a Agatha Christie!