segunda-feira, 21 de janeiro de 2019

Opinião :: Carta a Dina | Grazia Verasani

Título: Carta a Dina
Autora: Grazia Verasani
Editora: IN
Ano: 2018

Sinopse:
Numa manhã de 1973, Dina entra pela primeira vez na sala de aula. Doze anos, loira, excesso de peso, roupas caras. Volta-se para a sua nova companheira e diz «Eu sou fascista». A outra responde: «Eu sou comunista».
Nesse momento nasce entre as duas uma amizade esmagadora, feita de subterfúgios, juramentos, conversas, brigas, reconciliações apaixonadas. Dois mundos diferentes, duas famílias opostas, uma de origem operária, a outra, a de Dina, definitivamente burguesa. As duas raparigas, amigas inseparáveis, deambulam por uma Bolonha animada pelas primeiras lutas estudantis.
Trinta e sete anos depois, enquanto estacionava o carro, a protagonista desta história ouve na rádio a música que ela e Dina ouviam até à exaustão num 45 rotações.
E de repente, Dina regressa, viva. Onde está a adolescente rebelde em oposição permanente contra uma mãe fria e sedutora? Qual foi o momento exato do fim? E porquê aquela tentação irresistível de andar com os olhos fechados à beira de um precipício?

Opinião:
Escolhi este livro para primeira leitura do ano por se tratar de um livro pequeno e com uma história aparentemente simples de ler.
O livro é contado na primeira pessoa e fala da história de vida da narradora a partir do momento em que conheceu a amiga Dina, de como elas viveram a adolescência e como ela se recordou dela, tendo em conta que Dina já morreu.
Foi uma boa descoberta, pois não esperava encontrar certos problemas na vida de Dina. Gostei de conhecer este passado, tendo em conta também o ambiente e a época em que viviam. No entanto, a história não me fascinou ao ponto de ter adorado. Mas também, neste caso, não esperava ler um livro pesado, pois queria algo simples, que não me cansasse ou me desmotivasse de ler.
Em suma, foi um livro bom, já que transmite a beleza da amizade ao longo da vida. Para quem pretende uma leitura rápida, este livro adequa-se.

sábado, 12 de janeiro de 2019

Pilha de livros :: Lidos em 2018

Já vamos quase a meio do mês, mas 2019 chegou num instante! E por isso, como tem sido hábito, faço um balanço do meu ano relativo a leituras.
Segundo o Goodreads, li 36 livros em 2018, quase o dobro dos livros a que me propus ler (e menos dois do que li em 2017). Desta vez, só um deles foi em inglês e foi uma leitura que começou em 2017 e se arrastou para 2018. De entre os livros em português, a grande maioria foi do meu maior agrado e valeram bem a pena!

domingo, 30 de dezembro de 2018

Opinião :: O Natal de Poirot | Agatha Christie

Título: O Natal de Poirot
Autora: Agatha Christie
Editora: RBA Coleccionables
Ano: 2008 (1. ª edição de 1939)

Sinopse:
Simeon Lee, um multimilionário malévolo e maquiavélico, convida a família para passar o Natal com ele. Um ensurdecedor barulho de mobília a partir-se e um medonho grito de agonia interrompem a quadra. Simeon Lee, com a garganta cortada, jaz numa poça de sangue. Todos tinham razões para odiar o velho, e desconfiam uns dos outros. Mas com Poirot por perto, o inesperado culpado pagará pelo seu crime.
 
Opinião:
Em plena época natalícia, escolhi ler este livro referente ao Natal mas cuja situação ninguém deseja!
O livro relata um crime ocorrido em plena noite de Natal, com contornos extremamente violentos e um cenário assustador; um crime que, aparentemente, é inexplicável ou inconcebível, mas que Hercule Poirot desvenda e esclarece, tanto às personagens como aos leitores.
A narrativa está dividida em sete capítulos, que são os próprios dias em que tudo acontece. Não levei esses sete dias a ler a história, mas o caso deixou-me intrigada e muito curiosa. Essa curiosidade foi aumentando, com os depoimentos e as pistas que se iam encontrando, até descobrir o que realmente aconteceu... e fiquei UAU! Que esquema tão bem engendrado! E mais uma vez a mente brilhante de Agatha Christie a mostrar do que é capaz. Foi mesmo incrível e arrepiante.
Adorei este livro e é dos que mais gostei da autora até agora. Leiam esta história, quer seja ou não Natal. 😁

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Livros recebidos :: Natal 2018

Olá! Mais um Natal que passou a voar mas que me deixou dois livros pelo caminho!
Este ano, recebi mais dois livros de Lesley Pearse: O Dia Em Que Te Perdi e És o Meu Destino. São livros que vão preencher a minha colecção de obras desta autora, que já sigo há uns anos.


Título: O Dia Em Que Te Perdi
Autora: Lesley Pearse
Editora: Edições ASA
Ano: 2018

Sinopse:
Na noite em que a mãe lhes foi arrancada, os gémeos Maisy e Duncan perceberam que só podiam contar um com o outro. Se até então a vida deles não fora fácil, a partir desse momento piora dramaticamente pois o pai decide enviá-los para casa da avó, a ríspida Violet.
Os gémeos sentem-se mais abandonados do que nunca. Mas a negligência da avó tem um lado positivo: Maisy e Duncan passam a desfrutar de uma liberdade inesperada e podem explorar o campo e fazer novas amizades sem terem de se justificar a ninguém. Até ao dia em que Duncan desaparece sem deixar rasto.
À medida que os dias dão lugar a semanas, perante a ineficácia da polícia e a indiferença da avó, Maisy decide descobrir por si própria o que aconteceu à única pessoa que verdadeiramente ama. E vai começar por Grace Deville, a excêntrica amiga do irmão. Grace vive isolada na floresta... e tem segredos por revelar…


Título: És o Meu Destino
Autora: Lesley Pearse
Editora: Edições ASA
Ano: 2018 (3. ª edição)

Sinopse:
1938. A Nova Zelândia é um país belo e tranquilo. Um paraíso de onde Mariette, filha de Belle e de Étienne, só pensa em fugir. Cansada da tacanhez da pequena cidade onde vive, ela está disposta a embarcar para a Europa mesmo sabendo que essa viagem poderá ser-lhe fatal. O mundo prepara-se para a guerra, mas, para a irreverente Mariette, ficar é uma alternativa bem pior.
Chegada a Londres, a jovem depressa se deixa encantar pelas suas tentações e esquece o breve vislumbre que teve do amor. Londres é tudo aquilo com que sempre sonhou. Mas a noite do seu vigésimo-primeiro aniversário vai mudar tudo. Os violentos bombardeamentos nazis transformam a cidade mais vibrante da Europa num pesadelo de terror, devastação e morte. Pela primeira vez, ela sente o peso esmagador da solidão. É dos escombros da guerra, porém, que emergirá uma nova Mariette. A adolescente egoísta dá lugar a uma mulher forte, madura e abnegada que está disposta a tudo - até a morrer - para ajudar os mais desprotegidos. E é no seu momento mais vulnerável que o amor lhe bate à porta. Um amor tão inquieto e desesperado quanto o mundo que a rodeia.


Também receberam livros neste Natal? Que livros receberam?

quinta-feira, 20 de dezembro de 2018

Opinião :: Sorrisos Quebrados | Sofia Silva

Título: Sorrisos Quebrados
Autora: Sofia Silva
Editora: Editorial Presença
Ano: 2018

Sinopse:
Paola está num momento-chave da sua vida. Vai ter de decidir se quer continuar a viver ou se vai deixar-se morrer às mãos do homem por quem um dia se apaixonou e com quem veio a casar. Como foi possível que aquele homem poderoso e deslumbrante se tornasse no monstro que a está a destruir? Mas Paola decide viver. E, no mais improvável dos lugares, vai encontrar de novo a luz e descobrir que, afinal, é possível amar outra vez.Sorrisos Quebrados marca a estreia de Sofia Silva na escrita de ficção. Um romance sobre violência doméstica, abuso sexual e as segundas oportunidades que a vida por vezes reserva.

Opinião:
Este livro foi completamente inesperado por mim. Comecei a ler sem expectativas, porque não imaginei mesmo o que o livro me iria dar. E foi uma óptima surpresa!
Os temas centrais da história (violência doméstica, toxicodependência, ...) são assuntos sérios e actuais e que, a meu ver, não são tão abordados como deveriam ser. Pelo menos, da maneira como foram aqui. As descrições pormenorizadas da vítima da violência (Paola) são arrepiantes e levam-nos a pensar em como é possível chegar-se a tamanha maldade para com alguém. Sim, porque a história é ficcional, mas actos destes acontecem todos os dias...
Apesar disso, a narrativa centra-se no pós violência, em plena recuperação, superação de medos e redescoberta do amor; em como na partilha de experiências se se conhece melhor uma pessoa. Neste caso, Paola conhece a pequena Sol e, consequentemente, o seu pai, André. Relutantemente, os dois vão ganhando confiança e criando uma bonita relação.
Ao longo do livro, assistimos à evolução destas pessoas. A narrativa inclui muito romance, algumas cenas eróticas (mais do que imaginava) e inúmeras referências aos problemas que todos enfrentam.
Fiquei impressionada com o livro, sinceramente. Acho que é uma leitura obrigatória para todos nós, pois ouvimos demasiadas vezes falar sobre violência de vários tipos, mas neste caso doméstica, e muitas vezes não pensamos no assunto sob a visão da vítima ou até mesmo do agressor. O livro pode muito bem ser uma boa ajuda moral para quem sofre na pele este género de agressões; apesar da seriedade do assunto, a história é positiva e mostra muita luz no meio de tanta escuridão.
Ah, e só depois de ler o livro, percebi toda a capa e adorei-a ainda mais! Está simplesmente maravilhosa!
Gostei mesmo do livro! Recomendo!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

Recordações especiais :: Viagem a Malta

Chegada à ilha de Gozo no ferry
Olá! Há pouco tempo fiz uma escapadinha com duas pessoas próximas até Malta, um país que me surpreendeu pela sua beleza, inúmeros monumentos e paisagens tão incríveis que por vezes me emocionei. De verdade!
Passei bons momentos no país, apesar de ter apanhado chuva num dos dias, mas nem por isso foi pior.
Em todos os locais, parava nas pequenas lojas para ver e comprar recordações - até bem baratas, por sinal! - e aqui quis partilhar aqueles de que mais gostei.


Como coleccionadora de calendários de bolso que sou, rendi-me a este dos gatinhos malteses (mesmo não sendo em formato cartão, é um calendário e é o que interessa), bem como a este marcador de livros também com gatos. Não são lindos?

"Reading gives us some place to go when we have to stay where we are." - Mason Cooley
O que acharam destas recordações? Já visitaram Malta?

domingo, 9 de dezembro de 2018

Opinião :: A Herança do Vazio | Kiran Desai

 Título: A Herança do Vazio
Autora: Kiran Desai
Editora: Porto Editora
Ano: 2007

Sinopse:
No nordeste dos Himalaias, numa casa isolada no sopé do monte Kanchenjunga, vive Jemubhai, um velho juiz amargurado, que tudo o que quer é reformar-se em paz, na companhia da única criatura a quem é capaz de dar algum afecto, a cadela Mutt. No entanto, a chegada inesperada da neta órfã, Sai, vai abalar o seu sossego, obrigando-o a remexer as suas memórias e a repensar a sensação de estranheza na própria pátria. Tudo isto se acentuará com o romance entre Sai e Gyan, o seu explicador de matemática, um nepalês que se envolve numa revolta que alterará inquestionavelmente a vida de Jemubhai.
A serenidade da vida do juiz contrasta com a existência do filho do seu cozinheiro, Biju, que saltita sucessivamente de restaurante em restaurante, em Nova Iorque, à procura de emprego, numa fuga constante aos Serviços de Imigração. Julgando que o filho leva uma vida boa e que acabará por vir resgatá-lo, o cozinheiro vai arrastando os seus dias.
Neste magnífico romance, vencedor do Booker Prize 2006, Desai como que cria uma tapeçaria em que todas as personagens partilham uma herança comum de impotência e humilhação. E, com uma mestria sublime, consegue, ao longo de toda esta poderosa saga familiar, deixar sempre em aberto um desfecho de esperança ou de traição.
Numa escrita inesgotavelmente rica e complexa, com rasgos de exotismo, a autora retrata temas tão actuais como a globalização, o colonialismo, o racismo, o abismo entre pobres e ricos e a imigração.

Opinião:
Exactamente um mês depois de ter começado a ler, consegui chegar ao fim de A Herança do Vazio. Quando iniciei a leitura, apercebi-me de que não iria ser um livro fácil. Admito que não me cativou o suficiente para querer lê-lo mais rápido ou para gostar da história, por isso devo dizer que não gostei muito do livro.
Não obstante, é um livro bom e capaz de transmitir a intensidade dos problemas e dos sentimentos das personagens, sendo que consegui sentir alguma coisa (revolta, desespero,... q.b.!) durante a leitura.
Além disso, a história aborda alguns acontecimentos da História da Índia e também mundial; penso que foi a primeira vez que li algo relativo à Índia e adorei ler as descrições do ambiente e do espaço, neste caso nos Himalaias, ao lado do Nepal, e tão longe de mim!
Para mim não foi uma boa leitura, mas sei que é um livro bom e capaz de agradar muitos leitores.