domingo, 16 de julho de 2017

Opinião :: O País do Carnaval | Jorge Amado

Título: O País do Carnaval
Autor: Jorge Amado
Editora: Planeta de Agostini
Ano: 2002 (49.ª edição)

Sinopse:
Diante da grandiosidade da natureza, o brasileiro pensou que isto aqui fosse um circo. E virou palhaço...
Este livro pretende contar a história de um homem que, tendo vivido na velha França muito tempo, voltou à Pátria disposto a encontrar o sentido da sua vida.
Conta a sua luta, o seu fracasso. Conta a luta dos seus amigos, rapazes de talento, que falharam na existência.
Este livro é um grito. Quase um pedido de socorro.
É toda uma geração insatisfeita que procura a sua finalidade.
Nós já começamos a luta contra a dúvida. A geração que chega combate as atitudes céticas.
Este livro narra a vida de homens céticos que, entretanto, procuram uma finalidade. Tentaram alcançá-la. Uns no amor, outros na religião. O fracasso das tentativas não é prova da sua inutilidade.

 
Opinião:
O País do Carnaval foi o primeiro livro escrito por Jorge Amado, em 1930. Perante a sinopse desta edição, a minha curiosidade aumentou exponencialmente. De facto, ao julgar qualquer livro pela capa ou pelo título não fazemos as melhores conclusões sobre o mesmo. Inicialmente, pensava que este livro contava uma história que retratasse um Brasil alegre, colorido, de espírito carnavalesco. No entanto, quer a sinopse, quer o texto introdutório escrito por Augusto Frederico Schmidt (uma carta direccionada ao autor), explicam-nos perfeitamente o que vamos encontrar na obra.

Esta é a história de um grupo de homens que procura o sentido das suas vidas. Juntos discutem filosofias, questionam o amor, a política, a escrita e a religião e, individualmente, tiram as suas conclusões.

A história está cheia de metáforas e ironias inteligentes. Em quase todo o livro encontramos diálogos e pensamentos acerca das dúvidas existenciais das personagens. Por vezes achei um pouco de mais, mas no fim acabei por achá-las necessárias. A visão de cada um sobre a vida permite-nos reflectir sob diferentes perspectivas; tal como as personagens, fui assimilando as opiniões e criando a minha própria ideia acerca do assunto. Gostei desta liberdade de pensamento e do espírito vanguardista de Jorge Amado.

À parte das questões filosóficas, existe também algum romance que, parecendo à partida algo simples e natural, suscitou igualmente muitas dúvidas em algumas personagens.

Mais uma vez, Jorge Amado faz um retrato da sociedade brasileira da época (que, na verdade, foi o primeiro) com uma escrita muito simples e característica, à qual já me habituei e tenho apreciado cada vez mais.

Sem comentários:

Enviar um comentário