quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Opinião :: A Relíquia | Eça de Queirós

Título: A Relíquia
Autor: Eça de Queirós
Editora: Círculo de Leitores
Ano: 1993

Sinopse (retirada da Internet):
Romance saído em folhetins na Gazeta de Notícias, cuja epígrafe se tornou célebre - "Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia" - por sintetizar a aliança entre realismo e imaginação, naturalismo e fantástico, patente na obra.
Da intriga central - a viagem de Teodorico à Terra Santa, de onde traz, não a relíquia que prometera à tia beata, mas sim, por lapso, a camisa de dormir de uma amante - sobressai o sonho ou a viagem no tempo do protagonista, que, acompanhado pelo seu erudito amigo, Dr. Topsius, assiste à pregação, julgamento e morte de Jesus.
A obra, que exalta a figura humana de Cristo, como paradigma de amor e de bondade, foi considerada herética pelos setores mais conservadores, por questionar a divindade de Cristo.


Opinião:
Desta vez, a minha curiosidade em relação a este livro recaiu sobre o título; uma vez que esta edição não contém uma sinopse, comecei a leitura com uma maior sede de descobrir o que era a tal relíquia.
O início do livro agradou-me mais do que esperava: constatei que iria ser uma história engraçada, apesar das desgraças de Teodorico. No entanto, uma parte da história foi mais descritiva, nomeadamente o relato do dia de Páscoa em Jerusalém, e não me cativou muito, o que me fez abstrair mais da leitura. Fiquei novamente interessada aquando do culminar do caso: foi quando desvendei a relíquia e conheci o destino de Teodorico, bem como a moral da história.
No final, achei este livro muito bom, com um grande ensinamento para a vida: a inutilidade da hipocrisia. Eça de Queirós criou uma história cativante, utilizando uma escrita formal mas cómica, para abordar a religião e os comportamentos da sociedade daquele tempo.
Gostei muito de ler o livro e de viajar, tanto no tempo como no espaço; gostei de ler sobre a viagem a Israel e à Síria e tentei imaginar como seriam estes países no século XIX (com certeza muito diferentes da actualidade...).
Uma boa surpresa: recomendo!

Sem comentários:

Enviar um comentário