quarta-feira, 6 de junho de 2018

Opinião :: Dona Flor e Seus Dois Maridos | Jorge Amado

Título: Dona Flor e Seus Dois Maridos
Autor: Jorge Amado
Editora: Planeta de Agostini
Ano: 2002 (1.ª edição de 1966)

Sinopse:
Nem por ser desordenado dia de lamentação, tristeza e choro, nem por isso se deve deixar o velório correr em brancas nuvens. Se a dona da casa, em soluços e em desmaio, fora de si, envolta em dor, ou morta no caixão, se ela não puder, um parente ou pessoa amiga se encarregue então de atender à sentinela pois não sei vai largar o alvéu, sem de comer nem de beber, os coitados noite adentro solidários; por vezes sendo inverno e frio.
Para que uma sentinela se anime e realmente honre o defunto presidi-la e lhe faça leve a primeira e confusa noite de sua morte, é necessário atendê-la com solicitude, cuidando-lhe da moral e do apetite.

Opinião:
Não pensei que fosse demorar tanto tempo a ler este livro; apesar de ser uma obra de pouco mais de 500 páginas e de ter começado a ler perto da altura da Eurovisão (que me prende por completo), até cerca do meio do livro a minha leitura foi muito arrastada e forçada. Estava ainda a conhecer a história e as personagens, mas ainda nada me estava a cativar.
E do que se trata a história? Literalmente de dona Flor e dos seus dois maridos! E como é isso possível? Bem, o livro começa por apresentar dona Flor, excelente cozinheira e professora na escola de culinária Sabor e Arte; fala também de Vadinho, o primeiro marido de dona Flor, homem dado ao jogo, a festas e à vadiagem, e conta como aconteceu a sua morte. Dona Flor ficou desolada pela perda do homem que amava e da sua viuvez tão precoce. Todavia, mais tarde ela é cortejada pelo doutor Teodoro, um farmacêutico respeitado e de feitio totalmente diferente de Vadinho, e acaba por se casar com ele. No entanto, o maior problema surge a seguir, quando Vadinho reaparece na vida de dona Flor - e o livro conta o resto...
No livro, fiquei a conhecer bem as personagens principais, desde as suas personalidades até aos hábitos de vida. Algo que marca a história são as divagações de dona Flor, já que ela nunca se encontra completamente realizada ou satisfeita e lhe falta sempre alguma coisa (principalmente durante o luto do primeiro marido). Mas foi a partir do segundo casamento que a história ganhou ênfase e me interessou mais.
Um dos aspectos que me agradou mais foram as palavras utilizadas pelo autor, em alguns momentos, para falar de dona Flor: metáforas alusivas à culinária e que tornaram o texto ainda mais rico e prazeroso de ler. Mas isso é algo a que Jorge Amado já me habituou... cada vez mais adoro a sua escrita! Além disso, ler sobre a vida dos brasileiros naquela época (anos 60 do século XX) é sempre algo que me fascina e me lembra aquelas novelas que passam na televisão. Aliás, tenho conhecimento de que esta história já foi adaptada para o cinema, teatro e televisão, e gostava muito de poder ver a história!
Em suma, gostei do livro, mas não foi o meu preferido até agora. No entanto, não deixa de ser uma história imperdível!

1 comentário:

  1. Confesso que também não é o meu favorito de Jorge Amado - tal como Mar Morto, é daqueles de que gostei muito, mas não está ao nível de outros... muito divertido de qualquer maneira, tem o toque que só Jorge Amado consegue dar a uma obra.

    ResponderEliminar