quarta-feira, 4 de abril de 2018

Opinião :: Capitães da Areia | Jorge Amado

Título: Capitães da Areia
Autor: Jorge Amado
Editora: Planeta de Agostini
Ano: 2002 (1.ª edição de 1937)

Sinopse:
Já por várias vezes o nosso jornal, que é sem dúvida o órgão das mais legítimas aspirações da população baiana, tem trazido notícias sobre a atividade criminosa dos «Capitães da Areia», nome pelo qual é conhecido o grupo de meninos assaltantes e ladrões que infestam a nossa urbe. Essas crianças que tão cedo se dedicaram à tenebrosa carreira do crime não têm moradia certa ou pelo menos a sua moradia ainda não foi localizada. Como também ainda não foi localizado o local onde escondem o produto dos seus assaltos, que se tornam diários, fazendo jus a uma imediata providência do Juiz de Menores e do dr. Chefe de Polícia.

Opinião:
Numa nota inicial sobre o autor, que acompanha todos os livros desta colecção, refere-se que a primeira edição da presente obra foi queimada em praça pública, devido ao intenso envolvimento de Jorge Amado na política. Uma curiosidade interessante que me deu mais vontade de ler esta história, que se trata de um relato sobre as crianças abandonadas da Bahia, que vivem de furtos e moram na rua. Elas são vistas como delinquentes e são igualmente negligenciadas pela sociedade; aliás, existe um esforço em descobri-los e enviá-los para o reformatório, lugar onde o regime é à base da violência.
Com esta leitura, conheci de perto estas crianças e o que lhes vai na alma; a maioria delas é órfã e nunca teve infância: elas tiveram de crescer à força e não sabem o que é o amor e o carinho. Também havia pessoas que as compreendiam e se preocupavam em lhes melhorar o futuro,  pois algumas delas tinham talentos escondidos, mas estas crianças, por mais que quisessem mudar, presavam demasiado a vida e a liberdade que viviam.
Esta é uma dura crítica social que mostra as injustiças e desigualdades daquela época, principalmente. Aqui vê-se bem o poder dos homens de estatuto elevado e o desprezo em relação aos que não vão ao encontro das suas ideias, ainda que sejam erradas. Contudo, há sempre lugar para a esperança e a história guia-se por isso mesmo.
Até agora, este foi um dos livros de que mais gostei de Jorge Amado, pela sua pertinência e ironia, bem como pela beleza de escrita. Adoro viajar pelo Brasil através da leitura destas obras.

9 comentários:

  1. Este é um dos meus livros preferidos de sempre - o primeiro livro que li de Jorge Amado, e o livro que me apaixonou pela leitura, quando tinha 13 anos. Já passaram muitos anos - reli-o muito até os meus 17, 18 - e nunca vou esquecer o sofrimento do Pirulito a ver a imagem do menino Jesus na montra. Que outros leu do autor, já agora?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já li alguns de Jorge Amado, como "Cacau", "Suor", "Gabriela, Cravo e Canela", entre outros, cujas opiniões também partilhei aqui no blogue (estão organizadas no separador "Autores | Authors"). Até agora, este também foi um dos meus preferidos do autor! :)

      Eliminar
    2. Ah, não costumo confiar nas opiniões nos blogs para este fim porque há sempre livros lidos pré-blog, e há quem não escreva opiniões de tudo o que leu :) vou procurar a opinião do Gabriela - único desses que li (há opinião no meu blog também!).
      Eu li Capitães da Areia, Mar Morto (não um preferido, mas excelente), o Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (lindíssimo), Gabriela, Dona Flor e Seus Dois Maridos, Tieta e O Amor do Soldado (mais recentemente - todos menos os dois primeiros têm opinião no meu blog, também). Tenho por ler os Subterrâneos da Liberdade, Jubiabá, Teresa Batista Cansada de Guerra, Farda Fardão Camisola de Dormir e Tocaia Grande. Não resisto a comprar os livros do autor quando os encontro - sendo que, em Portugal, para muitas editoras são já fundo de catálogo...

      Eliminar
    3. Acrescento: Dona Flor é outro que também não adorei, mas todos os outros achei absolutamente brilhantes. Estou agora a ver a novela da Tieta, e foge taaaanto ao livro... é um dos meus livros preferidos de Jorge Amado, mas claro que para telenovela tiveram de dar outro toque de entretenimento...

      Eliminar
    4. Todos os livros que li de Jorge Amado foram lidos depois de ter criado o blogue, mas entendo esse ponto de vista. :)
      Os livros que tenho do autor em casa fazem parte da colecção "Biblioteca Jorge Amado", que inclui mais de 30 obras - e estou desejosa de ler algumas delas, principalmente as que tiveram direito a novela. Não cheguei a ver a novela da Gabriela, mas gostava de ainda ter essa oportunidade para poder "comparar". É normal as telenovelas diferirem bastante das histórias dos livros, mas é sempre giro ver as duas versões. :)

      Eliminar
    5. Hehe, pois, é difícil saber essas coisas :)
      Alguns dos que tenho são dessa colecção também - o Gabriela, os dois volumes de Tieta e o D. Flor! Os outros são de sítios vários, tenho um que comprei em segunda mão e é edição brasileira (o Tocaia Grande). Não vi mais novelas baseadas na obra dele :) quer dizer, vi aquela que era vagamente baseada no Mar Morto, quando tinha uns 11 anos... mas não me lembro do nome! Uma que deu em 2000, 2001, sobre pescadores?

      Eliminar
    6. Oh, não estou a ver... Nessa altura eu tinha 5, 6 anos! Nem tinha ideia de ter havido uma novela baseada nessa obra que tivesse passado nesses anos! Bem, estamos sempre a descobrir algumas coisas... Tenho de fazer alguma pesquisa sobre essas novelas; agora até fiquei curiosa! :P

      Eliminar
    7. Nada que o google não resolva: Porto dos Milagres! E eu gostei tanto que poucos anos mais tarde li o livro :D

      Eliminar
    8. Não me lembro de ouvir falar dessa novela... Mas também vou querer ler o livro! :)

      Eliminar