quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Opinião :: Corações na Escuridão | Laura Kaye

Título: Corações na Escuridão
Autora: Laura Kaye
Editora: O Castor de Papel
Ano: 2016

Sinopse:
Makenna James acha que o seu dia não pode ficar pior até que no edifício do seu escritório corre para apanhar o elevador. Enquanto se distrai para atender uma chamada o elevador pára e fica às escuras. Makenna encontra-se assim na companhia de um estranho do qual apenas vislumbrou a tatuagem de um dragão numa das suas mãos antes das luzes se apagarem.
Caden Grayson diverte-se com esta linda ruiva tão atrapalhada com a sua mala e o telemóvel. Mas logo a diversão acaba quando o elevador se imobiliza e ele, apesar dos seus piercings, tatuagens e cicatrizes, entra em pânico. Agora está preso dentro do seu pior pesadelo… durante quatro horas.

Somente abrindo-se com Makenna é que Caden poderá vencer os seus demónios, da mesma foram que Makenna consegue ultrapassar o seu terror do desconhecido. Aos poucos e apesar da escuridão, ambos acabam por descobrir o muito que têm em comum.
Na escuridão a atração e o desejo crescem e os dois não resistem a envolver-se com paixão. Mas, perguntam-se, irão sentir o mesmo quando as luzes voltarem? E quando forem salvos do elevador que os aprisiona o que farão?

Opinião:
Quem nunca fantasiou com a ideia de ficar preso num elevador com alguém que nos derretesse o coração? Acho que quase toda a gente. E se ficássemos lá presos durante horas e em total escuridão, mas com alguém que nunca vimos? Bem, possivelmente não tanta gente assim, mas foi esta ideia que Laura Kaye imaginou e criou esta maravilhosa história.
Corações na Escuridão é um romance erótico que me surpreendeu. Adorei a forma como Makenna e Caden se conheceram: falaram sobre as suas vidas, os seus gostos e as suas experiências - e apaixonaram-se por isso. Sem nunca se terem visto. A curiosidade e a necessidade do toque entre eles foi crescendo e Laura Kaye brinda-nos com cenas íntimas descritas de forma detalhada e arrebatadora, que nos fazem desejar ter uma experiência semelhante!
O amor deles cria em nós um carinho especial e a esperança de que esse sentimento vingue depois de as luzes se acenderem. Será que é isso que acontece?
Adorei este livro, apesar de no início ter a sensação de que a história se desenvolveu muito depressa. A única coisa que me desiludiu foi o número de páginas: tão poucas! Mas vale tão a pena ler este livro!
Aconselho vivamente!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Received book :: "Robot Coconut Trees"

Hello! Today I'm writing my first post in English because I just received the book Robot Coconut Trees, by Kelsey Horton, who sponsored a giveaway on Goodreads. I truly love this platform because there we can create our own bookshelves, rate books, write opinions and find new authors - mostly on giveaways. This is my second prize won on Goodreads (the first one was a pair of books by Cassia Cassitas, whose opinions you can find here and here).
When I got this book, I loved its colours, as well as the cover texture. It is also a dimensionally small book, so I found it cute.
What am I expecting from Robot Coconut Trees? Well, as I am a blogger and I like to write, I hope it gives me some advices to develop my way of thinking and writing.

Title: Robot Coconut Trees
Author: Kelsey Horton
Publisher: Createspace Independent Publishing Platform
Year: 2016

Synopsis:
In Robot Coconut Trees, Kelsey Horton helps fiercely jump-start your writing practice through stories, exercises, inspiration, and fun writing prompts. As a blogger who reaches readers around the world, Kelsey tells how she went from keeping her writing dreams buried under the weight of "Real Life" to creating finished writing pieces and sharing them with the world. You'll discover how to:
  • Daydream, journal, and freewrite your way to fresh new writing ideas
  • Tap into your innate childlike creativity
  • Muster the courageousness to begin - over and over again
  • Break through sticky limiting beliefs of guilt, doubt, perfectionism, and writer's block
  • Unapologetically share your finished work with the world
You are capable of moving from hiding to shining, from apathetic to empowered, from "Maybe I could write someday..." to "I am a writer." The world needs your light, your heartbreak.your dazzling stories, and your unprecedented self-expression. Now is the time to begin.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Opinião :: Domingo, o Jogo | Cassia Cassitas

Título: Domingo, o Jogo
Autora: Cassia Cassitas
Editora: VerdesTrigos/KindleBookBr
Ano: 2010

Sinopse:
Vai mais longe quem vê nos olhos o que as palavras não dizem. Quem sente no toque da pele envelhecida o frescor das histórias que o olhar úmido esconde. Mas muitos só conseguem ouvir buzinas. Não percebem os instrumentos, a sinfonia da vida, os gritos dos sonhos sufocados no peito. Perdem a capacidade que as crianças têm de intuir a verdade nos olhos. Aceitam as regras, mas não as pessoas. É esse o jogo que você aprende a alterar, resgatando da infância possibilidades esquecidas.

Opinião:
Quando vi a capa deste livro, questionei-me: Domingo, o Jogo? Será um livro sobre um jogo ao Domingo? E o que a capa tem a ver com o título? Bem, mal iniciei a leitura, percebi logo que se trata de um livro de auto-ajuda e que tanto o título como a capa se associam na perfeição a toda a ideia desenvolvida na obra.
Domingo é o dia de descanso, de reflexão e de estar em família. E o jogo é a vida, no qual o jogador principal é o leitor.
Ao longo do livro, Cassia Cassitas explica as regras do jogo e convida o leitor a participar nele. Por entre os textos repletos de metáforas, são-nos dados inúmeros conselhos a aplicar na nossa vida, se assim o entendermos ou precisarmos, bem como frases marcantes que nos fazem realmente pensar e questionar.

O jogo, o Domingo, o almoço e a família são os pilares deste livro.

Tal como o jogador, a família tem o seu devido destaque, ao representar as nossas origens, os nossos modelos de crescimento e ao ser um elemento fundamental em todos os momentos. A inclusão da família no jogo é opcional, porém preferível, pois o que é um almoço de Domingo sem ela?
Poderia esmiuçar muito mais a minha opinião e as ideias com que fiquei deste livro (creio que isto é sinal de que o livro exerceu em mim a sua intenção!), mas vou deixar que a curiosidade vos faça pegar neste livro e, quiçá, jogar este jogo. ;)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Livro recebido :: "Corações na Escuridão"

Viva! Venho hoje mostrar o novo livro que se juntou à minha (ainda) pequena biblioteca: Corações na Escuridão, de Laura Kaye. Este é um livro que desejava muito ler, pois já tinha lido muito boas apreciações sobre ele e fiquei deveras curiosa.
Estou ansiosa por descobrir esta história entre Makenna e Caden...

Título: Corações na Escuridão
Autora: Laura Kaye
Editora: O Castor de Papel
Ano: 2016

Sinopse:
Makenna James acha que o seu dia não pode ficar pior até que no edifício do seu escritório corre para apanhar o elevador. Enquanto se distrai para atender uma chamada o elevador pára e fica às escuras. Makenna encontra-se assim na companhia de um estranho do qual apenas vislumbrou a tatuagem de um dragão numa das suas mãos antes das luzes se apagarem.
Caden Grayson diverte-se com esta linda ruiva tão atrapalhada com a sua mala e o telemóvel. Mas logo a diversão acaba quando o elevador se imobiliza e ele, apesar dos seus piercings, tatuagens e cicatrizes, entra em pânico. Agora está preso dentro do seu pior pesadelo… durante quatro horas.

Somente abrindo-se com Makenna é que Caden poderá vencer os seus demónios, da mesma foram que Makenna consegue ultrapassar o seu terror do desconhecido. Aos poucos e apesar da escuridão, ambos acabam por descobrir o muito que têm em comum.
Na escuridão a atração e o desejo crescem e os dois não resistem a envolver-se com paixão. Mas, perguntam-se, irão sentir o mesmo quando as luzes voltarem? E quando forem salvos do elevador que os aprisiona o que farão?

sábado, 12 de novembro de 2016

Livro recebido :: "A Carreira do Mal"

Olá! Chegou mais um livro à minha estante: A Carreira do Mal, de Robert Galbraith, pseudónimo de J.K. Rowling.
A Carreira do Mal é um romance policial cuja personagem principal é o detective Cormoran Strike, sendo este livro o terceiro da sua série. Não li os primeiros dois livros, Quando o Cuco Chama e O Bicho-da-Seda, mas acredito que os queira ler se esta obra me surpreender.
Tenho a dizer que adoro a imagem da capa pelas suas cores. O vulto que se vê é comum aos três livros da série, o que leva a crer que represente o detective Strike.
Não estou habituada a ler policiais, apesar de gostar de um pouco de suspense (tenho em casa uma fanática de Agatha Christie que detém a sua colecção completa de filmes e livros e que já me levou a ver muitos dos filmes - e um dia aventuro-me nos livros!). Mas antes irei aventurar-me neste e nas suas 525 páginas!

 Título: A Carreira do Mal
Autor: Robert Galbraith
Editora: Editorial Presença
Ano: 2016

Sinopse:
Quando recebe um misterioso embrulho, Robin Ellacott fica horrorizada ao descobrir que dentro dele se encontra a perna de uma mulher.
O seu chefe, o detetive privado Cormoran Strike, mostra-se menos surpreendido mas está igualmente alarmado. Strike presume que quatro pessoas do seu passado possam ser os responsáveis - e sabe que qualquer uma delas é capaz de semelhante brutalidade.
Com a polícia  concentrada num suspeito que Strike considera não ser o culpado, o detetive e Robin decidem investigar os mundos sombrios e retorcidos dos restantes três suspeitos. No entanto, à medida que se desenrolam mais acontecimentos macabros, o tempo esgota-se...
Um enredo intrincado e complexo, repleto de desenvolvimentos inesperados, A Carreira do Mal é também uma história absorvente de um homem e de uma mulher que se encontram numa encruzilhada da sua vida pessoal e profissional. 

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Opinião :: O Menino Que Pedalava | Cassia Cassitas

Título: O Menino Que Pedalava
Autora: Cassia Cassitas
Editora: Pandorga
Ano: 2015

Sinopse:
Quando Elizabeth viajou à África do Sul deixando Mário em meio à preparação dos Jogos Olímpicos de 1992, eles não imaginavam que ali começava a verdadeira jornada que mudaria suas vidas.
De volta ao Brasil, Elizabeth deu a luz ao menino André, que, contrariando todas as expectativas, se interessa pelo ciclismo. Com a ajuda dos pais, de seu treinador e de um empenhado médico, André passa a conviver com uma nova realidade. muitas vezes difícil de entender e de lidar.
As dificuldades em se adaptar a complicada rotina de atleta, o temperamento rebelde, a superproteção dos pais e as inquietações e desejos de qualquer adolescente vão sendo deixados para trás, enquanto nosso herói corre em direção as Paraolimpíadas de Pequim.
Mais do que uma simples história de superação e garra, O Menino que Pedalava é um relato impressionante que tem o poder de despertar em nós o espírito adormecido da solidariedade, da coragem e da luta por um ideal, em um momento mais do que oportuno, quando André se prepara para competir nas Paraolimpíadas do Rio, em 2016.

Opinião:
Foi com grande curiosidade e vontade que li este livro, pois os seus temas principais são do meu agrado: os Jogos Olímpicos e Paralímpicos e as viagens. O Menino Que Pedalava conta a história de Elizabeth e Mário que, ao trabalharem para o Comité Olímpico Internacional, se conhecem e as suas vidas se unem para sempre. Viajando para as cidades anfitriãs dos Jogos, é numa delas que Elizabeth descobre que está grávida. Porém, devido à falta de cuidados ainda antes de descobrir a gravidez, o seu filho André nasce com uma deficiência física, mas nem por isso limitadora. É em torno da sua história de vida que a narrativa se desenrola, mostrando ao leitor a resiliência e a superação de todas as dificuldades que André vai encontrando pelo caminho, este menino que desenvolve uma paixão pelo ciclismo e que sonha chegar aos Jogos Paralímpicos.
Durante a leitura, senti-me a viajar com as personagens pelos vários países e emocionei-me com toda a história. Cassia Cassitas descreve os lugares e as emoções de uma forma simples mas directa, partilhando igualmente mensagens de apoio e coragem para os mais desmotivados.
Foi um privilégio (e, de certa forma, uma coincidência!) ter tido acesso a esta obra no mesmo ano em que decorreram os Jogos no Rio de Janeiro. Uma vez que a história do livro terminou com as preparações para os mesmos, tive a sensação de que já assisti à continuação da vida de André, quando segui os Jogos pela televisão.
O livro é muito bom e recomendo àqueles que tiverem oportunidade de o ler, por todas as razões que já mencionei.
Mais uma vez, o meu muito obrigada a Cassia Cassitas pelo exemplar autografado e pela história inspiradora que partilhou com o mundo!

domingo, 6 de novembro de 2016

Livro recebido :: "O Homem Que Me Fizeste Ser"

Chegou mais um livro à minha estante: intitula-se O Homem Que Me Fizeste Ser e é de André Sousa.
A primeira reacção que tive quando o folheei foi: «Que livro lindo!». Isto porque o livro está repleto de fotografias (a preto e branco, tal como a capa), algumas páginas têm apenas uma frase ou um pequeno texto que passa uma mensagem especial e também todo o grafismo está muito bem conseguido.
Este diário deixou-me curiosa e estou a contar com uma leitura muito romântica.

Título: O Homem Que Me Fizeste Ser
Autor: André Sousa
Editora: Chiado Editora
Ano: 2016

Sinopse:
"São três da manhã e o sono parece não querer chegar. As memórias são tantas: os dias vividos, as fotografias espalhadas por esta mesa e a certeza... de que te amo acima de tudo nesta vida. Poderia passar o resto dos meus dias a escrever-te, a contar-te tudo o que despertas em mim, tudo o que fizeste para mudar a minha história. No fim de contas, fizeste de mim um homem melhor, um lutador que te abraça nas noites frias, que te beija nos instantes de loucura, que te protege em todos os dias desta nossa paixão."

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Opinião :: Prantos, amores e outros desvarios | Teolinda Gersão

Título: Prantos, amores e outros desvarios
Autora: Teolinda Gersão
Editora: Porto Editora
Ano: 2016

Sinopse:
A morte de um homem amado; o pranto de uma mulher que falha uma promessa e se julga castigada; uma mãe, uma filha e o cheiro venenoso das acácias; uma mulher que se extravia dentro dos seus sonhos; aquele elevador com alguém preso lá dentro; o futebol, implacável jogo bravo; setenta e cinco rosas cor de salmão, seguras por um laço de seda e embrulhadas em papel de prata; solidariedade machista, conselhos de um velho a um rapaz; uma água-marinha que traz uma mensagem; não cobiçar as coisas alheias; uma teia de enredos, e a Alice que caiu num buraco do qual dificilmente conseguirá sair.
Catorze contos extraordinários, de uma das autoras mais consagradas e inquietantes da literatura actual, que nunca deixa de nos surpreender com a acutilância e profundidade da sua escrita.

Opinião:
Teolinda Gersão possui já uma vasta colectânea de romances, novelas e contos publicados. Todavia, este livro foi o primeiro que li e permitiu-me conhecer a sua escrita.
Prantos, amores e outros desvarios é um livro de contos que nos apresenta catorze histórias de pessoas completamente distintas mas que representam acontecimentos na vida real. A cada conto que lia, ia associando a sua história a alguém ou imaginando as pessoas em questão e, por vezes, o desfecho arrepiava-me pela profundidade das palavras.
Gostei de todos os contos, uns mais do que outros, mas o que mais me marcou foi o que falava de uma mãe, uma filha e o cheiro venenoso das acácias. Este aborda a relação de uma filha com a sua mãe acamada mas que, sem se dar conta do passar do tempo, a filha vê-se envelhecida e sozinha. Foi um conto que me tocou bastante.
Fiquei agradada com a escrita da autora, que se adaptou às várias histórias contadas. O livro é realmente pequeno e lê-se rápido, mas pode muito bem ser lido um conto por dia, por exemplo. É algo que fica ao critério do leitor. :)
Considero este um bom livro!